Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 12 > Economia informal registra em 2011 retração de 1,1% em relação a 2009

Economia e Emprego

Economia informal registra em 2011 retração de 1,1% em relação a 2009

por Portal Brasil publicado: 01/12/2011 18h53 última modificação: 28/07/2014 16h17

A economia subterrânea ou informal, caracterizada pela produção de bens e serviços não reportados ao governo, movimentou este ano R$ 653,4 bilhões, volume que representa 17,2% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

De acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV), que divulgou nesta quinta-feira (1º) os dados do Índice de Economia Subterrânea (IES), o setor encolheu 1,1% em relação a 2009.

Segundo Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, responsável pelo estudo, a queda do IES vem ocorrendo desde 2003, quando a economia subterrânea representava 21% do PIB.

“Isso é sem dúvida uma boa notícia, que mostra uma formalização crescente da economia brasileira e aponta que os esforços do governo, como a criação do Simples e do Super Simples, estão surtindo efeito”, avaliou.

Barbosa Filho destacou que dois fatores explicam boa parte desse processo: o crescimento consistente da economia brasileira e a expansão do crédito.

“Com o crescimento elevado e consistente da economia, o empregador se sente mais confortável na hora de contratar e formalizar seu empregado. Além disso, para terem acesso ao crédito abundante para se modernizar e aumentar sua competitividade, as firmas precisam ser formais. Isso também acontece com o trabalhador, que precisa comprovar renda se quiser financiar uma casa ou um carro”, destacou.

O economista acrescentou que a queda da economia subterrânea também traz benefícios ao Estado, já que muitas as atividades que a formam sonegam impostos, deixam de contribuir para seguridade social e não cumprem regulamentações trabalhistas.

O responsável pelo estudo ressaltou, no entanto, que, apesar da redução da atividade no País, ela ainda corresponde ao PIB da Argentina ou a duas vezes o PIB do Chile.

“Além disso, está aquém do observado em economias desenvolvidas. Nos Estados Unidos, por exemplo, a economia subterrânea corresponde a 10% do PIB. Apesar da evolução, essas atividades ainda têm um tamanho importante no Brasil”, concluiu.

Para realizar o levantamento, os pesquisadores levam em conta os dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo, feito em parceria com o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, foi divulgado pela primeira vez em 2007, mas com dados retroativos até 2003.


Fonte:
Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho

Últimas imagens

Para entidade, o pior da crise econômica já ficou no passado
Para entidade, o pior da crise econômica já ficou no passado
Arquivo EBC
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Divulgação/Prefeitura de Arapiraca (AL)
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa
Recursos obtidos permitem manutenção dos micro e pequenos negócios em todo o País
Recursos obtidos permitem manutenção dos micro e pequenos negócios em todo o País
Foto: Ministério do Trabalho/Divulgação
Comprovando o óbito, a instituição financeira deverá bloquear os valores indevidamente creditados
Comprovando o óbito, a instituição financeira deverá bloquear os valores indevidamente creditados
Arquivo/ Agência Brasil

Governo digital