Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2011 > 12 > Lei de Falência é aplicada após negociações informais

Economia e Emprego

Lei de Falência é aplicada após negociações informais

Empreendedorismo

Legislação de 2005 simplifica o processo de recuperação judicial de empresas em crise
por Portal Brasil publicado: 30/11/2011 19h48 última modificação: 28/07/2014 16h17

Quando um negócio não vai bem, há sinais iniciais que podem ser notados pelo empresário antes de chegar a uma situação crítica.

Uma empresa em crise tem várias fases: começa deixando de quitar tributos, depois para de pagar os fornecedores e, por fim, suspende o pagamento dos funcionários.

Antes disso tudo acontecer, o melhor procedimento é reestruturar o negócio para evitar piores consequências. Mas, se a situação já atingiu um ponto crítico, o empreendedor pode se apoiar na Lei de Falência.

De acordo com a lei sancionada em 2005, o envolvimento do Judiciário é precedido por negociações informais entre o devedor e seus credores, a chamada negociação extrajudicial.

A lei abrange todos os tamanhos de empresas, mas exclui as que são de economia mista, públicas, instituições financeiras, consórcios, previdência complementar, planos de saúde, seguradoras e sociedades de capitalização.

É importante também que o empresário esteja ciente de que, uma vez iniciado o processo de recuperação judicial, ele não pode desistir do mesmo.

A falência não é boa nem para quem pede, nem para quem a tem decretada. O ideal é que, antes de ajuizar um processo – que leva em média três anos –, o devedor procure uma negociação com o credor.

Fontes:

- Lei de Falência
- Serasa Experian 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
A revolução agrícola brasileira
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
Um projeto para o futuro
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
A revolução agrícola brasileira
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Um projeto para o futuro

Últimas imagens

Agências bancárias fecham nos dias 8 e 9 e retornam às atividades no dia 10
Agências bancárias fecham nos dias 8 e 9 e retornam às atividades no dia 10
Divulgação/EBC
Produção de soja permanece como o principal destaque
Produção de soja permanece como o principal destaque
Divulgação/Ministério da Agricultura

Contribuintes que receberam rendimentos superior a R$ 28.123,91 estão obrigados a apresentar declaração
Contribuintes que receberam rendimentos superior a R$ 28.123,91 estão obrigados a apresentar declaração
Divulgação/EBC
Ao todo, o volume exportado deste campo somou 59,1 milhões de barris de petróleo no ano passado
Ao todo, o volume exportado deste campo somou 59,1 milhões de barris de petróleo no ano passado
Divulgação/Petrobras
Governo federal que elevar participação brasileira no comércio mundial do agronegócio para 10% nos próximos três anos
Governo federal que elevar participação brasileira no comércio mundial do agronegócio para 10% nos próximos três anos
Divulgação/MDA

Governo digital