Economia e Emprego

Desemprego na América Latina e no Caribe deve se manter estável, diz OIT

publicado: 13/01/2012 15h39, última modificação: 22/12/2017 16h52

O crescimento econômico da América Latina e do Caribe em 2012 deve ficar na faixa de 4%, e a tendência é de que o desemprego na região mantenha-se em torno de 6,8%, assim como no ano passado. A estimativa foi feita nesta quinta-feira (12), pelo coordenador nacional do Projeto de Monitoramento e Avaliação do Trabalho Decente da Organização Internacional do Trabalho (OIT), José Ribeiro, durante a apresentação dos dados do relatório Panorama Laboral.

De acordo com Ribeiro, a grande preocupação da OIT é que a crise econômica na Europa e nos Estados Unidos não afete a geração de empregos nas duas regiões. “A economia da América Latina tem suas especificidades, mas tem uma certa dependência em relação às economias mais desenvolvidas. Diante disso, a OIT vem defendendo que as políticas de emprego tenham como base a promoção do trabalho decente”, disse Ribeiro.

Um dos desafios para a América Latina e o Caribe é reduzir a informalidade no mercado, que afeta cerca de 50% dos trabalhadores das duas regiões. Segundo Ribeiro, 93 milhões de pessoas estão na informalidade na região. Somente no Brasil, são 42,1%  dos trabalhadores nessa condição. 

Dados do relatório da OIT estimam que, no ano passado, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) tenha ficado em torno de 4,5%, na comparação com o resultado do ano anterior. O desemprego urbano na região continuou caindo. Estima-se que, em 2011, a taxa de desemprego da região atinja 6,8% da população economicamente ativa.

 

Fonte:
Agência Brasil

registrado em: América Latina, Caribe, Desemprego, OIT, PIB