Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2012 > 02 > Sobrevivência e mortalidade

Geral

Sobrevivência e mortalidade

A taxa de sobrevivência das MPEs brasileiras após dois anos de abertura é de 73,1%. O Sudeste á a região que apresenta os melhores índices e a indústria é o setor mais bem-sucedido neste quesito
por Portal Brasil publicado: 02/02/2012 18h03 última modificação: 28/07/2014 16h53

De cada 100 micro e pequenas empresas (MPEs) abertas no Brasil, 73 permanecem em atividade após os primeiros dois anos de existência. Segundo o estudo “Taxa de Sobrevivência das Empresas no Brasil”, feito pelo Sebrae, estes são os anos mais críticos para uma empresa. A taxa de sobrevivência de 73,1% das micro e pequenas empresas se refere àquelas que nasceram em 2006 e estão há pelo menos dois anos completos em atividade, já que as que abriram as portas em 2005 tinham 71,9% de sobrevivência.

A pesquisa aponta que as indústrias são as que mais obtêm sucesso. De cada 100 empresas abertas, 75,1% permanecem ativas nos dois anos seguintes. Em seguida, aparecem comércio (74,1%), serviços (71,7%) e construção civil (66,2%). As empresas da região Sudeste apresentam os melhores índices (76,4%). Na sequência, vêm as regiões Sul (71,7%), Nordeste (69,1%), Centro-Oeste (68,3%) e Norte (66,0%).

Comparando o desempenho nacional com o de outros países, o índice de sobrevivência das micro e pequenas empresas brasileiras é superior ao de nações como Espanha (69%), Itália (68%) e Holanda (50%), conforme dados da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Além do aquecimento da economia brasileira, a maior sobrevivência das empresas brasileiras deve-se principalmente ao avanço da legislação, o aumento na escolaridade dos empreendedores e o forte crescimento do mercado consumidor interno, apontou o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto, durante o lançamento da pesquisa sobre a sobrevivência das MPEs brasileiras, em outubro de 2011.


 

Mortalidade das empresas

Em 2010, 58% das empresas de pequeno porte fecharam as portas antes de completar cinco anos. Em relação a 2009, este índice era de 62%. Entre os principais motivos descritos pelos empreendedores estão a falta de clientes (29%), capital (21%), concorrência (5%), burocracia e os impostos (7%). Segundo o Sebrae, outros fatores influenciam no processo de mortalidade das MPEs como a falta de planejamento, de técnicas de marketing, de avaliação de custos e fluxo de caixa, entre outros.

Segundo dados do Departamento Nacional de Registro Comercial (DNRC), ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria, e Comércio Exterior (MDIC), são constituídas no Brasil em torno de 440 mil novas empresas por ano. Dessas, cerca de 80 mil empresas fecham. Para evitar este número, o Sebrae recomenda 10 dicas para a sobrevivência das empresas. Veja abaixo:

1) Planeje-se sempre;
2) Respeite sua capacidade financeira;
3) Não misture as finanças da empresa com finanças pessoais;
4) Fique de olho na concorrência;
5) Prospecte novos fornecedores;
6) Tenha controle do seu estoque;
7) Marketing não se resume a anúncio, invista em outras estratégias;
8) Inove mesmo que seja um produto/serviço de sucesso;
9) Invista sempre na formação empresarial;
10) Seja fiel aos seus valores e do seu negócio.

Fontes:
Taxa de sobrevivência das MPEs brasileiras

Fatores condicionantes e taxas de sobrevivência e mortalidade das micro e pequenas empresas no Brasil: 2003–2005

12 anos de monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas – Sebrae SP

Onde estão as micro e pequenas empresas no Brasil

Uma análise sobre natalidade e mortalidade de micro e pequenas empresas

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Tesouro Direito lança campanha para democratizar o acesso a títulos públicos
Tesouro Direto lança a campanha "Transformação pelo Conhecimento", com objetivo de democratizar o acesso aos títulos públicos e a educação financeira
Tesouro Direto lança a campanha "Transformação pelo Conhecimento", com objetivo de democratizar o acesso aos títulos públicos e a educação financeira
Tesouro Direito lança campanha para democratizar o acesso a títulos públicos

Últimas imagens

Expectativa para os próximos meses também aumentou em setembro
Expectativa para os próximos meses também aumentou em setembro
Valter Campanato/Agência Brasil

Governo digital