Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2012 > 04 > Moeda estrangeira

Economia e Emprego

Moeda estrangeira

Entenda as regras dessa modalidade e as situações em que é indicado investir em dólar e outras moedas estrangeiras
por Portal Brasil publicado: 10/04/2012 16h34 última modificação: 28/07/2014 16h46

A compra e a venda de moeda estrangeira são realizadas por instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central. As aplicações são feitas de acordo com a taxa de câmbio, que é o valor de uma moeda em relação à outra.

As taxas praticadas no Brasil são estabelecidas pelos bancos ou agências e definidas segundo a oferta e a demanda da moeda. As taxas são atualizadas diariamente e podem ser consultadas no site do Banco Central, onde também é possível fazer a conversão de moedas.

No Brasil, a moeda mais negociada é o dólar norte-americano. Para cada aplicação, ocorre uma taxa de conversão diferente. O Dólar Comercial é utilizado para transações de comércio exterior, entrada e saída de recursos, transações financeiras feitas pelo governo com países estrangeiros, quando algum brasileiro que mora no exterior realiza empréstimos registrados no Banco Central, dentre outras situações.

Já o Dólar Turismo é utilizado para balizar valores de passagens, compras no exterior feitas por cartão de crédito ou débito, ou outras operações de turismo. Não há limite de transações com o Dólar Turismo, mas a legislação brasileira não permite que seja utilizado como poupança. Se o valor a ser comprado ultrapassar R$ 10 mil, deve ser declarado à Receita Federal.

Existe ainda o chamado Dólar Paralelo (ou “Black”), que é considerado ilícito por ser adquirido fora dos meios oficiais – com doleiros, por exemplo –, sem a autorização do Banco Central.

Qualquer pessoa pode comprar ou vender dólar, basta ir a uma agência autorizada e apresentar o documento de identificação (RG). Para compra de valores acima de US$ 3 mil, o correspondente em reais deve ser pago com cheque ou débito em conta corrente. Valores menores podem ser pagos em espécie. Independentemente da finalidade a que se destina o dólar, o valor de compra será mais alto que o valor de venda. Este é o chamado spread.

Outra opção é o Fundo Cambial em Dólar, que consiste no investimento feito na moeda norte-americana por meio de títulos emitidos por bancos e empresas e ativos relacionados à variação da moeda. O Fundo Cambial não corresponde exatamente à cotação do dólar, pois cobra uma taxa de administração de 1% a 3% ao ano, além de Imposto de Renda, que varia de 15% a 22,5%, conforme o período de investimento, além da variação da taxa de juros.

Nessas operações, podem ser feitos contratos que estabelecem a troca de riscos e rentabilidade entre investidores, chamados de Swap Cambial. O contrato permite a troca de taxas de dólar por juros pós-fixados. Dessa forma, o investidor corre menos risco quanto à variação da moeda.

Para quem deseja obter rentabilidade com investimento, o Fundo Cambial é menos indicado, pois pode haver desvalorização da moeda com as oscilações do mercado. Geralmente, este fundo é utilizado para proteger o dólar para uso futuro. O Fundo Cambial é mais adequado para:

•    Quem vai viajar para o exterior;
•    Pessoas ou empresas que tenham dívidas em dólar;
•    Quem tem planos de morar em outro país;
•    Pessoas que mandam dinheiro para a família em outro país;
•    Estudantes ou profissionais que pretendem fazer um curso no exterior.

Leia também:
Tire suas dúvidas sobre o mercado de câmbio no Brasil
Cartilha do BC orienta negociadores de moeda estrangeira
Conheça o Dinheiro Certo, o serviço de transferências financeiras internacionais dos Correios

Fontes:
Banco Central
Receita Federal

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

A revolução agrícola brasileira
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
Um projeto para o futuro
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Exemplos e desafios
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
A revolução agrícola brasileira
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Um projeto para o futuro
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic elogia medidas acertadas para agricultura e aborda desafios do País para o futuro.
Exemplos e desafios

Últimas imagens

Destaque foram as medidas de melhoria do ambiente de negócios no setor de bebidas
Destaque foram as medidas de melhoria do ambiente de negócios no setor de bebidas
Divulgação/Governo do Rio Grande do Sul
Agricultura Familiar tem espaço na capital federal
Agricultura Familiar tem espaço na capital federal
Dênio Simões/ Agência Brasília
Ministério da Agricultura já repassou R$ 989,3 milhões para 12 bancos para linhas de capital de giro de cooperativas de produção e de indústria de torrefação e moagem
Ministério da Agricultura já repassou R$ 989,3 milhões para 12 bancos para linhas de capital de giro de cooperativas de produção e de indústria de torrefação e moagem
Divulgação/EBC
Os dados constam do boletim Focus do BC
Os dados constam do boletim Focus do BC
Divulgação/Governo do Espírito Santo

Governo digital