Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2012 > 08 > Empresas que cumprirem metas na redução de emissão de gases receberão benefícios

Economia e Emprego

Empresas que cumprirem metas na redução de emissão de gases receberão benefícios

por Portal Brasil publicado: 22/08/2012 17h25 última modificação: 28/07/2014 16h35
Governo do Rio de Janeiro A modernização da indústria tem que ser constante, no rumo da sustentação ambiental

A modernização da indústria tem que ser constante, no rumo da sustentação ambiental

Acordo apresentado deverá conceder benefícios a setores da indústria que cumprirem metas de redução de emissão de poluentes

 

Para alavancar a indústria e ao mesmo tempo cumprir as metas de redução na emissão de gases, o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, a ministro do Meio Ambiente Izabella Teixeira e o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade assinaram nesta terça-feira (21) o Acordo de Cooperação Técnica para a construção do Plano de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas do Setor Industrial.

O acordo apresentado deverá conceder benefícios a setores da indústria que cumprirem metas de redução de emissão de poluentes. Os setores de alumínio, cimento, papel e celulose, química, cal, vidro e ferro-gusa (usado na fabricação de aço) deverão ser beneficiados. A estimativa é que, em 2020, 16,2 milhões de toneladas de gás carbônico (CO²) deixem de ser emitidas, reduzindo a projeção de 324,4 milhões para 308,2 milhões de toneladas.

O ministro Pimentel ressaltou que esse plano já nasce com metas voluntárias de redução, de 5%, que estão sendo acordadas com a indústria. “A indústria está junto com governo assumindo esse compromisso. Vamos ter muito trabalho, mas não vamos fugir dele. Temos que providenciar inventário, instrumento de medição, estudos necessários para isso, mecanismos de redução tributária, financiamentos”, disse.

Parte do Plano Brasil Maior, a ministra do Meio Ambiente lembrou a importância da inclusão do tema ambiental para o desenvolvimento da indústria brasileira. Para a ministra, o grande avanço é discutir desenvolvimento da indústria, aliando tecnologia, baixo custo e sustentabilidade e tirando o Meio Ambiente apenas do papel do licenciamento ambiental. “A partir de agora você tem um arranjo formal de tal maneira que o Brasil possa avançar no desenvolvimento do seu parque industrial na discussão da emissão de CO2 por unidade”, comemorou Teixeira.

Para esse desenvolvimento, o presidente da CNI alertou que há a necessidade de trabalhar a sustentabilidade aliada a competitividade e a racionalidade em todo o sistema produtivo. “É fundamental que o Plano Indústria considere integralmente as peculiaridades de cada segmento do setor produtivo”, e completou: “Sempre deve-se ter em mente a sua pequena contribuição no perfil das emissões de gases e a necessidade urgente de retomada do crescimento da indústria”, reforçou Andrade.

Nesta semana os empresários deverão receber contrapartidas do governo, sobretudo por meio do BNDES, para a redução de emissões.

 

Plásticos

Durante a cerimônia que ocorreu na sede da CNI em Brasília o ministro Fernando Pimentel anunciou que o governo está trabalhando em um regime para o setor do plástico, a exemplo do que está acontecendo com setor automotivo. “Ainda é muito incipiente a conversa com o setor, mas será mais ou menos nos moldes do automotivo”, disse. 

 

 

Leia mais:

Em doze meses, desmatamento na Amazônia cai em 23%

Equilibrar a matriz energética é a meta brasileira para redução de gases de efeito estufa

Sociedade pode contribuir na elaboração de planos de adaptação às mudanças climáticas

OMS classifica fumaça do diesel como cancerígena

Brasil emite menor quantidade de gás carbônico entre os países do Brics

Maiores cidades do mundo anunciam meta na redução de gases de efeito estufa

 

Fonte:
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 
Agência Brasil 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
A revolução agrícola brasileira
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
Um projeto para o futuro
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
“Gasto de custeio da máquina do governo hoje é menor que em 2010”, diz ministro
De acordo com representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic, País passou de grande importador a segundo maior exportador de commodities alimentares.
A revolução agrícola brasileira
Alan Bojanic, representante da FAO no Brasil, afirma que País tem grandes possibilidades de se tornar maior exportador mundial de alimentos.
Um projeto para o futuro

Últimas imagens

Instituições que se utilizam do SEI ganham mais espaço físico que antes era ocupado por pilhas de papel
Instituições que se utilizam do SEI ganham mais espaço físico que antes era ocupado por pilhas de papel
Divulgação/Governo de Santa Catarina
Agências bancárias fecham nos dias 8 e 9 e retornam às atividades no dia 10
Agências bancárias fecham nos dias 8 e 9 e retornam às atividades no dia 10
Divulgação/EBC
Produção de soja permanece como o principal destaque
Produção de soja permanece como o principal destaque
Divulgação/Ministério da Agricultura

Contribuintes que receberam rendimentos superior a R$ 28.123,91 estão obrigados a apresentar declaração
Contribuintes que receberam rendimentos superior a R$ 28.123,91 estão obrigados a apresentar declaração
Divulgação/EBC
Ao todo, o volume exportado deste campo somou 59,1 milhões de barris de petróleo no ano passado
Ao todo, o volume exportado deste campo somou 59,1 milhões de barris de petróleo no ano passado
Divulgação/Petrobras

Governo digital