Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2013 > 01 > Benefícios do INSS com valor acima do salário mínimo são reajustados em 6,15%

Economia e Emprego

Benefícios do INSS com valor acima do salário mínimo são reajustados em 6,15%

por Portal Brasil publicado: 09/01/2013 14h57 última modificação: 30/07/2014 00h25
Previdência Social Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração 
a partir de 1º de Janeiro de 2013

Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, para pagamento de remuneração a partir de 1º de Janeiro de 2013

O reajuste dos benefícios atingirá 20 milhões de segurados e representará um impacto líquido de R$ 10,7 bilhões nos benefícios pagos em 2013

 

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que recebem acima do valor do salário mínimo, terão um reajuste de 6,15% nos benefícios.

A portaria dos ministérios da Fazenda e Previdência Social com os índices de reajustes destes benefícios e a nova tabela de contribuição dos segurados foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (9). O teto da Previdência Social para 2013 é de R$ 4.157,05. Atualmente, o valor máximo pago pela Previdência é de R$ 3.916,20.

O reajuste dos benefícios de até um salário mínimo atingirá 20 milhões de segurados e representará um impacto líquido de R$ 10,7 bilhões nos benefícios pagos pelo INSS em 2013.

Já o aumento para quem ganha acima do piso previdenciário representará um impacto líquido de R$ 9,1 bilhões.

 

Contribuições

Também foram estabelecidas as novas alíquotas de contribuição do INSS dos trabalhadores empregados, domésticos e trabalhadores avulsos. As alíquotas são de 8% para aqueles que ganham até R$ 1.247,11; de 9% para quem ganha entre R$ 1.247,12 e R$ 2.078,52 e de 11% para os que ganham entre R$ 2.078,53 e R$ 4.157,05. Essas alíquotas – relativas aos salários pagos em janeiro - deverão ser recolhidas apenas em fevereiro.

O valor mínimo dos benefícios pagos pelo INSS – aposentadorias, auxílio-doença, auxílio-reclusão e pensão por morte -, das aposentadorias dos aeronautas e das pensões especiais pagas às vítimas da síndrome da talidomida, será de R$ 678,00.

O mesmo piso vale também para os benefícios da Lei Orgânica da Assistência Social (Loas) para idosos e portadores de deficiência, para a renda mensal vitalícia e para as pensões especiais pagas aos dependentes das vítimas de hemodiálise da cidade de Caruaru (PE). Já o benefício pago aos seringueiros e seus dependentes, com base na Lei nº 7.986/89, terá valor de R$ 1.356,00.

A cota do salário-família passa a ser de R$ R$ 33,14 para o segurado com remuneração mensal não superior a R$ 646,24 e de R$ 23,35 para o segurado com remuneração mensal superior a R$ 646,24 e igual ou inferior a R$ 971,33.

Já o auxílio-reclusão será devido aos dependentes do segurado cujo salário-de-contribuição seja igual ou inferior a R$ 971,33. O teto do salário-de-contribuição e do salário-de-benefício passa de R$ 3.916,20 para R$ 4.157,05.

 

Fonte:
Ministério da Previdência Social

 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Auxílio-Doença
O valor do benefício, desde 1º de março, não pode exceder a média das últimas 12 contribuições, e o prazo de afastamento a ser pago pelo empregador foi estendido de 15 para 30 dias. Somente após esse período, o trabalhador precisará comparecer ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
Pensão por Morte
Desde o dia 1º março, está sendo observado um tempo mínimo de contribuição de dois anos para a concessão da Pensão por Morte, exceto em casos de acidente de trabalho, e doença profissional ou do trabalho.
Abono salarial
O tempo de recebimento do benefício é agora de, no mínimo, seis meses ininterruptos de trabalho. Antes, bastava ter apenas um mês no emprego para receber o dinheiro do abono. Outra mudança será o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorre atualmente com o décimo terceiro salário. Pela regra anterior do abono salarial, o benefício era pago integralmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado
O valor do benefício, desde 1º de março, não pode exceder a média das últimas 12 contribuições, e o prazo de afastamento a ser pago pelo empregador foi estendido de 15 para 30 dias. Somente após esse período, o trabalhador precisará comparecer ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
Auxílio-Doença
Desde o dia 1º março, está sendo observado um tempo mínimo de contribuição de dois anos para a concessão da Pensão por Morte, exceto em casos de acidente de trabalho, e doença profissional ou do trabalho.
Pensão por Morte
O tempo de recebimento do benefício é agora de, no mínimo, seis meses ininterruptos de trabalho. Antes, bastava ter apenas um mês no emprego para receber o dinheiro do abono. Outra mudança será o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorre atualmente com o décimo terceiro salário. Pela regra anterior do abono salarial, o benefício era pago integralmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado
Abono salarial

Últimas imagens

Quadro indica capacidade de abastecimento e também de consumo de pescados no Brasil
Quadro indica capacidade de abastecimento e também de consumo de pescados no Brasil
Esse é o segundo poço perfurado com sucesso pelo consórcio de Libra e encontra-se a 18 km de distância do primeiro poço, denominado 3-RJS-731.
Esse é o segundo poço perfurado com sucesso pelo consórcio de Libra e encontra-se a 18 km de distância do primeiro poço, denominado 3-RJS-731.
Agência Petrobras
Conheça os principais termos relacionados ao Imposto de Renda
Conheça os principais termos relacionados ao Imposto de Renda
Informações sobre como solicitar auxílio do Garantia-Safra
Informações sobre como solicitar auxílio do Garantia-Safra
Ministro Helder Barbalho e a superintendente federal da Pesca e Aquicultura no estado do Rio de Janeiro, Suely Amaral
Ministro Helder Barbalho e a superintendente federal da Pesca e Aquicultura no estado do Rio de Janeiro, Suely Amaral
Divulgação/MPA

Governo digital