Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2013 > 11 > Caminhão do Peixe oferece pescado mais barato à nordestinos

Economia e Emprego

Caminhão do Peixe oferece pescado mais barato à nordestinos

Comércio

Programa pertence ao Ministério da Pesca e Aquicultura e é executado pela Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura
por Portal Brasil publicado: 12/11/2013 11h53 última modificação: 30/07/2014 00h32

O Caminhão do Peixe estará esta semana em cinco municípios diferentes do Rio Grande do Norte: São José do Mipibú, Assú, Pedro Velho, Várzea e Ceará-Mirim.

O projeto pertence ao Ministério da Pesca e Aquicultura e é executado pela Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura no Rio Grande do Norte.

Superintendente do MPA no RN, Abraão Lincoln Júnior explica que a iniciativa funciona por meio de parceria entre empresas e colônias de pescadores.

“O peixe vem direto dos produtores para o caminhão, eliminando o papel do atravessador. O peixe, além de estar mais barato, é mais saudável que o frango. No frango encontramos vários hormônios e nos peixes temos ômega 3”, acrescentou Abraão.

O preço mais em conta dos peixes vendidos no Caminhão é fixado no valor de R$ 4,00 e são das espécies: cavalinha, sardinha, trilha, budião e guaiuba, que no mercado geralmente custa entre R$ 6,90 e R$ 10,00. O atum é comercializado no valor de R$ 8,00. No mercado, o valor praticado varia entre R$ 12 e R$ 16.

“Esse projeto tem grande importância social, pelo preço do pescado e a qualidade. É um programa de segurança alimentar, onde conseguimos incentivar o aumento do consumo de peixe. Estamos levando o projeto para cidades do interior castigadas pela seca com rebanhos bovinos dizimados”, destacou Abraão Lincoln.

Entre os municípios já atendidos no Estado constam Natal, Ceará-Mirim, Parnamirim, Macaíba, Nisía Floresta, São José do Mipibú, Goianinha, Canguaretama, Nova Cruz, Santa Cruz, Tangará, Campo Grande, Mossoró, Areia Branca, Assú, Alto do Rodrigues, Ipanguaçu, Triunfo Potiguar, Caraúbas, Governador Dix-sept Rosado, Baraúnas, Apodi, Pau dos Ferros, Patú, Alexandria, Jucurutu, Caicó, Umarizal e Lajes do cabugi.

“Estamos expandido o projeto a mais cidades do Rio Grande do Norte. Hoje contamos com dois caminhões, um fica em Natal e atende a região metropolitana, agreste e trairi e outro caminhão que fica na Colônia de Pescadores de Campo Grande e atende as cidades do Seridó e Oeste”, explica Lincoln.

Programação do Caminhão do Peixe do MPA

Segunda-feira - São José do Mipibú às 7:30

Terça-feira - Assú às 07:30

Quarta-feira - Pedro Velho ÀS 7:30 e Várzea as 14:00

Quinta-feira - Ceará-Mirim às 7:30

Fonte:
Ministério da Pesca e Aquicultura 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Saiba mais sobre as contas inativas do FGTS
Trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado até 2015 tem direito ao saque das contas inativas do FGTS
Trabalhador que pediu demissão ou teve seu contrato de trabalho finalizado até 2015 tem direito ao saque das contas inativas do FGTS
Saiba mais sobre as contas inativas do FGTS

Últimas imagens

Ação integrada vai apoiar venezuelanos a imunizar e inspecionar o rebanho
Ação integrada vai apoiar venezuelanos a imunizar e inspecionar o rebanho
Arquivo/ Agência Brasil
Ministros Marcos Pereira (MDIC) e Aloysio Nunes Ferreira (MRE) assinaram acordo representando o País
Ministros Marcos Pereira (MDIC) e Aloysio Nunes Ferreira (MRE) assinaram acordo representando o País
Divulgação/ MDIC
Resultado foi o melhor para o mês em toda série histórica
Resultado foi o melhor para o mês em toda série histórica
Arquivo/Agência Brasil
Dados referente a emprego e inflação contribuíram para ânimo dos investidores
Dados referente a emprego e inflação contribuíram para ânimo dos investidores
Arquivo EBC
Interligação do banco de dados vai possibilitar a criação de uma malha de informações trabalhistas
Interligação do banco de dados vai possibilitar a criação de uma malha de informações trabalhistas
Mirian Fichtner/Dataprev

Governo digital