Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 01 > Consumo de energia elétrica sobe 3,5% em 2013

Economia e Emprego

Consumo de energia elétrica sobe 3,5% em 2013

Energia

Aumento do consumo de energia no ano passado foi puxado pelas residências (+6,1%), com destaque para a região Nordeste
por Portal Brasil publicado: 29/01/2014 16h45 última modificação: 30/07/2014 02h13

O consumo nacional de energia elétrica fechou 2013 com elevação de 3,5% sobre o ano anterior, somando 463,7 mil gigawatts-hora (GWh). A taxa é idêntica ao crescimento em 2012  (+3,5% contra 2011), quando foram consumidos 448,3 mil GWh.

O aumento  do consumo de energia no ano passado foi puxado pelas residências (+6,1%),  com destaque para a região Nordeste, onde a taxa teve crescimento de 11,5%. Ao todo as residências consumiram 124,8 mil GWh em 2013, 

O aumento do consumo residencial do Nordeste ultrapassou  pela primeira vez a alta da região Sudeste, que mesmo assim continua como maior região consumidora de energia do Brasil.

O consumo residencial do Nordeste cresceu em 2.461 GWh em 2013, ou 34,1% do incremento total (7.212 GWh), enquanto o Sudeste acrescentou uma demanda de 2.352 GWh à rede, ou 32,6% do total.

Comércio e Serviços foram a segunda maior elevação do ano em termos de consumo de energia (+5,7%), refletindo a expansão do Sudeste, responsável por metade do incremento de 2013 nessa classe.

O consumo industrial teve avanço de 0,6%, contra a estabilidade registrada no ano anterior. Contribuiu para esse resultado o desempenho da indústria no Centro-Oeste e Sul, que compensou o menor consumo dos segmentos eletrointensivos.

Dezembro de 2013

No total, o consumo nacional de energia elétrica em dezembro subiu 4,9%, somando 39,6 mil GWh. O setor industrial teve alta de consumo de energia da ordem de 3,1% , contra igual mês de 2012. No comércio, o crescimento foi de 7,1% e nas residências de 5,3%. 

Fonte:
Empresa de Pesquisa Energética 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Auxílio-Doença
O valor do benefício, desde 1º de março, não pode exceder a média das últimas 12 contribuições, e o prazo de afastamento a ser pago pelo empregador foi estendido de 15 para 30 dias. Somente após esse período, o trabalhador precisará comparecer ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
Pensão por Morte
Desde o dia 1º março, está sendo observado um tempo mínimo de contribuição de dois anos para a concessão da Pensão por Morte, exceto em casos de acidente de trabalho, e doença profissional ou do trabalho.
Abono salarial
O tempo de recebimento do benefício é agora de, no mínimo, seis meses ininterruptos de trabalho. Antes, bastava ter apenas um mês no emprego para receber o dinheiro do abono. Outra mudança será o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorre atualmente com o décimo terceiro salário. Pela regra anterior do abono salarial, o benefício era pago integralmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado
O valor do benefício, desde 1º de março, não pode exceder a média das últimas 12 contribuições, e o prazo de afastamento a ser pago pelo empregador foi estendido de 15 para 30 dias. Somente após esse período, o trabalhador precisará comparecer ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)
Auxílio-Doença
Desde o dia 1º março, está sendo observado um tempo mínimo de contribuição de dois anos para a concessão da Pensão por Morte, exceto em casos de acidente de trabalho, e doença profissional ou do trabalho.
Pensão por Morte
O tempo de recebimento do benefício é agora de, no mínimo, seis meses ininterruptos de trabalho. Antes, bastava ter apenas um mês no emprego para receber o dinheiro do abono. Outra mudança será o pagamento proporcional ao tempo trabalhado, do mesmo modo que ocorre atualmente com o décimo terceiro salário. Pela regra anterior do abono salarial, o benefício era pago integralmente para os trabalhadores, independentemente do tempo trabalhado
Abono salarial

Últimas imagens

Quadro indica capacidade de abastecimento e também de consumo de pescados no Brasil
Quadro indica capacidade de abastecimento e também de consumo de pescados no Brasil
Esse é o segundo poço perfurado com sucesso pelo consórcio de Libra e encontra-se a 18 km de distância do primeiro poço, denominado 3-RJS-731.
Esse é o segundo poço perfurado com sucesso pelo consórcio de Libra e encontra-se a 18 km de distância do primeiro poço, denominado 3-RJS-731.
Agência Petrobras
Conheça os principais termos relacionados ao Imposto de Renda
Conheça os principais termos relacionados ao Imposto de Renda
Informações sobre como solicitar auxílio do Garantia-Safra
Informações sobre como solicitar auxílio do Garantia-Safra
Ministro Helder Barbalho e a superintendente federal da Pesca e Aquicultura no estado do Rio de Janeiro, Suely Amaral
Ministro Helder Barbalho e a superintendente federal da Pesca e Aquicultura no estado do Rio de Janeiro, Suely Amaral
Divulgação/MPA

Governo digital