Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 03 > Inflação do IPCA-15 de março fica próxima de fevereiro

Economia e Emprego

Inflação do IPCA-15 de março fica próxima de fevereiro

Consumidor

Avanço foi de 0,73% em março e ficou próxima da taxa de 0,70% de fevereiro, informou IBGE. Registro ficou abaixo do esperado pelo mercado
por Portal Brasil publicado: 21/03/2014 11h15 última modificação: 30/07/2014 02h02

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março e ficou próxima da taxa de 0,70% de fevereiro, informou nesta sexta-feira (21) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Com isso o indicador, considerado uma prévia da inflação oficial, que é medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou abaixo do esperado pelo mercado.

Os principais destaques para o avanço de março foi o grupo Alimentação e Bebidas, que subiu de 0,52% em fevereiro para 1,11%, com 0,27 ponto percentual (p.p.) de impacto. Em seguida vem o setor de Transporte, que passou de -0,09% para 1,22%, com impacto de 0,23 p.p.. Juntos, somaram 0,50 p.p., sendo responsáveis por 68% do índice do mês.

Dentro do grupo Transporte, destacaram-se as tarifas aéreas (-20,36% em fevereiro para 27,08% em março), de ônibus urbano (0,38% para 1,51%) e o preço do etanol (0,28% para 3,89%).

A alta acumulada nos meses de janeiro, fevereiro e março foi de 2,11%, acima da taxa de 2,06% referente ao primeiro trimestre de 2013. No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA-15 ficou em 5,90%, acima dos 12 meses imediatamente anteriores (5,65%). Em março de 2013, a taxa havia sido de 0,49%.

Regiões

Dentre as taxas regionais, os destaques foram as de Brasília (1,26%) e do Rio de Janeiro (1,24%). Em Brasília, a alta foi de 51,65% nas passagens aéreas, que tem peso de 1,62% e causou impacto de 0,84 ponto percentual. No Rio de Janeiro, pesou mais o aumento de ônibus urbano (7,14%) e o item empregado doméstico (3,45%).

O menor índice de inflação foi o de Recife (0,29%), com queda de 0,12% em março para os alimentos consumidos no domicílio.

Para o cálculo do IPCA-15 os preços foram coletados no período de 14 de fevereiro a 14 de março (referência) e comparados com aqueles vigentes de 16 de janeiro a 13 de fevereiro (base).

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.


Fonte: 
Portal Brasil com informações do IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Arquivo/Agência Brasil
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
Arquivo/Agência Brasil
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Governo digital