Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 04 > Brasil terá grandes investimentos nos próximos 8 anos e pode crescer até 2,5% já em 2014, diz Mantega

Economia e Emprego

Brasil terá grandes investimentos nos próximos 8 anos e pode crescer até 2,5% já em 2014, diz Mantega

Bom Dia, Ministro

Mais importante é que esse avanço se dará com inclusão social, aumento da renda e emprego, "o que é difícil hoje no mundo", afirma o ministro
por Portal Brasil publicado: 02/04/2014 09h30 última modificação: 30/07/2014 02h10

O Brasil é um dos poucos países do mundo a ter um programa de investimento em infraestrutura do tamanho do que possui hoje, com concessões no setor elétrico, em portos, aeroportos, rodovias e ferrovias, afirmou nesta quarta-feira (2) o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista a emissoras de rádio, transmitida pelo programa "Bom Dia Ministro", da TV NBr, canal de notícias do Poder Executivo.

“O Brasil é um país atraente, que tem um grande mercado interno. Um país que permite bons negócios e rentabilidade para os investidores. As multinacionais querem desfrutar do nosso mercado interno, que cresceu muito nos últimos anos porque geramos muitos empregos e a massa salarial cresceu", enfatizou.

Mantega prevê uma alta de 7% na média anual de investimentos até 2022 - taxa acima da média de 6,2%, registrada entre 2003 e 2013.  Então, segundo ele, não procedem as críticas de que o governo só estimula o consumo. "O BNDES financia investimentos em infraestrutura e outros investimentos. É mito achar que só estimulamos o consumo (...), o carro-chefe do crescimento será o investimento”, destacou.

Neste ano, a economia brasileira já deve crescer entre 2% e 2,5%, o que ainda é pouco, segundo ele. “Embora a economia esteja sólida, teremos dificuldade para exportar para vizinhos da América Latina”, alertou.

Mas o crescimento poderá se expandir em até 5% ao ano, quando a "crise amainar" e a indústria brasileira exportar mais. “Precisamos da recuperação da economia internacional, para usarmos todo nosso potencial produtivo”, disse o ministro. 

Fundamentos estão sólidos

Para isso, serão mantidos os todos os fundamentos macroeconômicos que já norteiam a política econômica e fiscal brasileira. "Essa política permitiu que passássemos por uma das maiores crises da economia internacional, com crescimento do emprego, da renda, crescimento do PIB maior que a maioria dos países do G20", destacou.

Mantega lembrou que inflação tem sofrido choques, como o de preços de alimentos, mas que são localizados, e a inflação anual têm ficado abaixo do teto da meta, de 6,5%. “Nos últimos 11 anos, a inflação nunca passou do limite de 6,5%”, acrescentou. “Sempre tivemos grande cuidado com inflação, sabemos que ela prejudica muito o trabalhador. É questão de honra para nós que permaneça baixa”.

O governo deverá também adiar projetos que possam comprometer a realização neste ano da meta de superávit primário de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), que representa a soma de todas as riquezas produzidas no País.  

Segundo o ministro, a China acumulou um aumento de 66% no Produto Interno Bruto (PIB), de 2008 a 2013, seguida pela Índia, que avançou 43%. O Brasil ficou em quinto lugar, com a média de 3% ao ano, no mesmo período. E entre os países do G-20, o Brasil teve o melhor superavit primário, com aumento médio de 2,9%.

Inclusão social

Para Mantega, o mais importante é que a renda avance acima da taxa de inflação. “Mesmo que haja inflação, o importante é que o poder aquisitivo da população esteja crescendo mais do que essa inflação que ocorre normalmente todo ano.”

O objetivo do governo é que o País cresça com inclusão social, ao contrário do que ocorreu no passado. “Os trabalhadores estão ganhando reajustes de salário de 7% ou 8%, algumas categorias tiveram seu salário duplicado”, afirmou. “O importante é que a média de preços não ultrapasse um determinado patamar, que está em torno de 5,5% e 5,7% e que o salário brasileiro esteja crescendo acima desse patamar”.

 Mantega lembrou que o trabalhador brasileiro está empregado, "o que é difícil hoje no mundo", e a classe média tem mais de 100 milhões de consumidores. "Certamente a Copa vai atrair, não digo investidores, mas turistas, pessoas que vão conhecer o País e se interessar em fazer negócios no Brasil. Mas admitiu que a atividade produtiva cresce menos, embora esteja crescendo. "Temos desafios, mas temos condições de resolvê-los”, afirmou.

Fonte:
Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Pesquisa do BC aponta que 56% não colocam no papel as contas do mês
Por outro lado, segundo levantamento do Banco Central, 64% dos entrevistados pagam as contas em dia
Por outro lado, segundo levantamento do Banco Central, 64% dos entrevistados pagam as contas em dia
Pesquisa do BC aponta que 56% não colocam no papel as contas do mês

Últimas imagens

Resultado foi obtido com mercadorias apreendidas ao longo de 2017. Parte dos itens, no entanto, foi doado para organizações da sociedade civil ou incorporado a órgãos públicos
Resultado foi obtido com mercadorias apreendidas ao longo de 2017. Parte dos itens, no entanto, foi doado para organizações da sociedade civil ou incorporado a órgãos públicos
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Rais
Pixabay

Governo digital