Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 07 > Dinheiro em espécie ainda é a principal forma de pagamento

Economia e Emprego

Dinheiro em espécie ainda é a principal forma de pagamento

Pesquisa

Banco Central realizou uma pesquisa para detalhar os hábitos dos cidadãos e comerciantes brasileiros em relação ao uso do dinheiro
por Portal Brasil publicado: 02/07/2014 17h07 última modificação: 02/07/2014 17h19

O Banco Central do Brasil realizou uma pesquisa em todo o Brasil para detalhar os hábitos dos cidadãos e comerciantes brasileiros em relação ao uso do dinheiro.

O levantamento aponta características permanentes na população apesar do desenvolvimento, e aumento na utilização, de novos meios de pagamento.

Por exemplo, a população ainda utiliza bastante o dinheiro em espécie para realizar pagamentos de até R$ 50,00, mas a partir desse valor, o uso de cartões de débito e crédito é superior.

A utilização do dinheiro em espécie também possui alguns nichos específicos, por exemplo: padarias, restaurantes e lanchonetes; pagamentos de aluguel e condomínio; compra de combustível e educação.

De acordo com o Banco Central, “o uso de dinheiro é menos frequente nas compras realizadas em super/hipermercados e na aquisição de eletrodomésticos, roupas e calçados. Para estes produtos o cartão de crédito ou débito estão mais presentes, especialmente nas classes AB".

Para os comerciantes, o uso do dinheiro em espécie caiu de 67% (2010) para 57% (2013). Por outro lado, a utilização de cartões de crédito aumentou consideravelmente. Em 2010, 22% dos entrevistados afirmou utilizar a modalidade de pagamento; em 2013, esse total foi de 35%.

Valores mais utilizados

A pesquisa também aponta que o brasileiro carrega, em média, valores entre R$ 50,00 e R$ 100,00. Por outro lado, a população afirma sentir falta de cédulas de 2, 5 e 10 reais para realizar pagamentos em espécie.

Em relação ao uso das moedas, 39% dos brasileiros carrega entre R$ 2,00 e R$ 3,00. No momento de realizar um pagamento, 52% dos entrevistados afirma sentir falta de moedas de R$ 1,00 e R$ 0,50 para realizar pagamentos e 69% as utilizam para facilitar o troco. Para os comerciantes, as moedas de R$1,00 e R$0,50 são as que mais fazem falta no momento do troco.

Segundo o BC, "as notas de menor valor (R$2,00, R$5,00 e R$10,00) são as que mais fazem falta no momento do troco". Além disso, em 2013, as menções referentes à falta de cédulas R$ 10,00 aumentou de 28% em 2010 para 60% em 2013.

De acordo com os dados apresentados na pesquisa, a maioria dos comerciantes obtém esse troco em estabelecimentos vizinhos, com amigos em estabelecimentos próximos.

Autenticidade das cédulas

Sobre a autenticidade das cédulas, 47% dos entrevistados se lembra de ter visto alguma informação sobre o assunto. Desse total, 38% se referiu à televisão como meio difusor dessa informação.

Entre os comerciantes, 58% afirmou ter visto material sobre o assunto. Em relação a esse montante, 42% afirmou ter visto o assunto na televisão e 30% por meio de cartazes.

Ainda sobre a autenticidade das células, de acordo com o BC, em 2013 houve uma redução no percentual – de 33% em 2010 para 28% em 2013 - de pessoas que declararam já ter recebido uma nota falsa e 95% dos entrevistados consideram crime a utilização de notas falsas. Segundo a instituição financeira, os valores de R$50,00 e R$10,00 continuam sendo os mais frequentes.

Fonte:
Portal Brasil, com informações Banco Central do Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Com a crescente necessidade de economizar energia, o Inmetro dá dicas para quem quer poupar sem ter de abrir mão do conforto
Inmetro dá dicas para quem quer economizar energia

Últimas imagens

Recursos são referentes ao ano de 2015 e podem ser retirados até 28 de dezembro
Recursos são referentes ao ano de 2015 e podem ser retirados até 28 de dezembro
Marcos Santos/USP Imagens
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Ministério da Fazenda
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Gustavo Raniere/Min. Fazenda
Arrecadação em alta é importante para manter o compromisso com as contas públicas
Arrecadação em alta é importante para manter o compromisso com as contas públicas
Arquivo EBC

Governo digital