Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 08 > Banco do Brasil vai contratar 3.500 aprendizes

Economia e Emprego

Banco do Brasil vai contratar 3.500 aprendizes

Jovem Aprendiz

Em acordo com o Ministério do Trabalho, Banco vai contratar jovens para atuar no Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado
por Portal Brasil publicado: 01/08/2014 12h38 última modificação: 01/08/2014 12h38

O Ministério do Trabalho e Emprego e o Banco do Brasil firmaram acordo de cooperação técnica, na última quarta-feira (30), para inserir 3.500 jovens aprendizes no mercado de trabalho. O acordo ampliará a atuação do BB no programa de aprendizagem, que conta, atualmente, com 5.200 aprendizes entre 14 e 17 anos.

Com a contração de mais 3.500 jovens entre 18 e 24 anos, que atuarão no Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNPMO), o quantitativo do banco pode chegar a 8 mil jovens contratados.

O Programa de Aprendizagem faz parte da Política de Responsabilidade Social Empresarial e tem como objetivo promover a inclusão social de adolescentes de baixa renda, no mercado de trabalho, por meio de sua capacitação profissional em serviços bancários e administrativos e estimular a prática da cidadania, de valores éticos e profissionais. 

Para o ministro, “os adolescentes e jovens que entram no mercado de trabalho com carteira de trabalho assinada, direitos trabalhistas e previdenciários assegurados e com acesso à formação profissional de qualidade terão chances de trajetória profissional digna e promissora”. 

Assinaram o termo de cooperação técnica o ministro do trabalho, Manoel Dias e o presidente do Banco do Brasil, Aldenir Bendine.

Aprendizes

Dados da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) afirmam que 81% dos aprendizes que concluíram o programa em 2011 permaneceram no mercado formal no ano seguinte. Em 2011, 203.060 aprendizes concluíram o programa e 165.123 permaneceram no mercado em 2012. Quase o mesmo percentual foi observado em 2012, quando 256.320 aprendizes concluíram e 211.186 continuaram no mercado formal em 2013, representando 82%.
 
Programa de Microcrédito

O Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado foi instituído pela Lei nº 11.110, de 25 de abril de 2005, e tem como objetivo incentivar a geração de trabalho e renda entre os microempreendedores populares; disponibilizar recursos para o microcrédito produtivo orientado; e oferecer apoio técnico às instituições de microcrédito produtivo orientado, com vistas ao fortalecimento institucional destas para a prestação de serviços aos empreendedores populares.

Fonte:
Ministério do Trabalho e Emprego

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Arquivo/Agência Brasil
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
Arquivo/Agência Brasil
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Governo digital