Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2014 > 11 > Conselho do FGTS terá orçamento de R$ 76,8 bi para investimentos em 2015

Economia e Emprego

Conselho do FGTS terá orçamento de R$ 76,8 bi para investimentos em 2015

INVESTIMENTOS PÚBLICOS

Habitação terá R$ 56.5 bi, saneamento básico R$ 7.5 bi e infraestrutura urbana R$ 12.8 bi. Para Manoel Dias, prioridade foi mantida em investimentos na área social
por Portal Brasil publicado: 07/11/2014 15h04 última modificação: 07/11/2014 15h04

O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou um orçamento de R$ 76,8 bilhões para aplicar nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana em 2015. O mesmo valor será mantido até 2018, informou o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). 

De acordo com a proposta aprovada pelos conselheiros, serão aplicados R$ 76.8 bilhões nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana em 2015, preservando esse mesmo valor para o quadriênio (2015 a 2018). 

Para a área de habitação estão previstos investimentos de R$ 56.5 bilhões, sendo R$ 55.2 bilhões destinados a habitação popular e outros R$ 8.9 bilhões para subsídio a famílias de baixa renda. A verba é utilizada em programas como o Minha Casa, Minha Vida, que permite que pessoas dessa faixa de renda tenham juros mais baratos no crédito e descontos no valor da prestação de imóveis para morar. 

Em saneamento básico (Programa Saneamento para Todos) estão previstos R$ 7.5 bilhões, sendo todo o investimento destinado ao programa Saneamento para Todos. Para a área de infraestrutura urbana serão aplicados R$ 12.8 bilhões pelo programa Pró-Transporte e 800 milhões em operações urbanas consorciadas. 

“O governo federal mantém como prioridade os investimentos na área social. Os valores ganham volume gradativamente e a expectativa é que eles aumentem ao longo dos períodos”, disse Manoel Dias, que preside o Conselho Curador. 

Orçamento 

Em 2013 o Fundo aplicou R$ 55,2 bilhões em habitação popular, R$ 4,5 bilhões em saneamento básico e R$ 3,5 bilhões em infraestrutura urbana, totalizando um orçamento executado de R$ 63,2 bilhões dos R$ 68,3 bilhões que haviam sido autorizados. Foram destinados ainda R$ 7,99 bilhões de subsídio a população de baixa renda, sendo R$ 6,9 bilhões direcionados ao programa Minha Casa, Minha Vida. 

Para este ano o orçamento aprovado foi de R$ 72.6 bilhões, sendo R$ 57.8, bi para financiamento a habitação, R$ 8 bilhões a serem aplicados em infraestrutura urbana e R$ 5.2 bi para o setor de saneamento básico. 

Em descontos, nos casos de financiamento a população de baixa renda - com ganhos familiares até R$ 3.275,00 - o FGTS disponibilizou R$ 8.9 bilhões, sendo R$ 6 bilhões destinados aos financiamentos no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida. 

Fonte: Portal Brasil com informações do Ministério do Trabalho e Emprego 

 




 

 

 

 





 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Meirelles: restrição não afetará Saúde e Educação
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou que o governo prosseguirá tendo limite mínimo de recursos para essas áreas
Meirelles: Três Poderes terão limite de gastos
De acordo com o ministro da Fazenda, Reforma Fiscal terá vigência de 20 anos, e pode mudar de critérios a partir do décimo ano
Henrique Meirelles explica Novo Regime Fiscal
Em entrevista nesta quarta-feira (15), ministro da Fazenda explica a nova Reforma Fiscal que será proposta ao Congresso
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou que o governo prosseguirá tendo limite mínimo de recursos para essas áreas
Meirelles: restrição não afetará Saúde e Educação
De acordo com o ministro da Fazenda, Reforma Fiscal terá vigência de 20 anos, e pode mudar de critérios a partir do décimo ano
Meirelles: Três Poderes terão limite de gastos
Em entrevista nesta quarta-feira (15), ministro da Fazenda explica a nova Reforma Fiscal que será proposta ao Congresso
Henrique Meirelles explica Novo Regime Fiscal

Governo digital