Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2015 > 06 > Lançado 1° Plano Nacional de Economia Solidária

Economia e Emprego

Lançado 1° Plano Nacional de Economia Solidária

Desenvolvimento

Plano pretende oferecer educação e qualificação profissional a 200 mil pessoas para fortalecer trabalho associado e melhoria de renda
por Portal Brasil publicado: 22/06/2015 12h34 última modificação: 22/06/2015 12h47

Apoiar e fortalecer 20 mil empreendimentos econômicos, oferecendo condições de produção, comercialização e consumo, que respeitem parâmetros sustentáveis e solidários e promover a formação de 200 mil pessoas nos próximos cinco anos. Esses são alguns dos objetivos do 1° Plano Nacional de Economia Solidária, aprovado na quinta-feira (18) pela Resolução Nº 06 de 26 de março de 2015 do Conselho Nacional de Economia Solidária, órgão do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e assinado pelo ministro Manoel Dias.

O documento servirá de base para a formulação das prioridades no Plano Plurianual do governo federal 2016/2019.

“O objetivo é realizar um diagnóstico e estabelecer os objetivos de médio e longo prazos para este setor, que envolve um conjunto de pessoas muito pobres e, na maior parte das vezes, encontradas às margens do mercado de trabalho e da cidadania”, explica o secretário adjunto de Economia Solidária do MTE, Roberto Marinho.

Desafios

O Plano foi construído para dar resposta a quatro desafios fundamentais: acesso ao conhecimento, com formação e assessoria técnica, ao crédito e ao mercado, além de reconhecimento legal. “É importante destacar que, quando se fala em Economia Solidária, estamos nos referindo a empreendimentos coletivos que se orientam pelos valores e práticas da solidariedade, da cooperação e da gestão compartilhada e horizontal, além da sustentabilidade econômica e ambiental”, justifica Marinho.

Os três maiores segmentos da Economia Solidária são os empreendimentos de agricultura familiar, de artesanato e dos catadores de materiais recicláveis.

Outras metas envolvem a participação de 80.000 mulheres em empreendimentos solidários, com o acesso a educação e qualificação profissional, o fomento e o fortalecimento de 300 empreendimentos, compostos majoritariamente por jovens, e de 1.000 cooperativas e associações de catadores de material reciclado, além de 2.000 iniciativas de finanças solidárias em bancos comunitários, fundos solidários e cooperativas de crédito solidário.  

Segundo o secretário Nacional de Economia Solidária, Paul Singer, o Plano Nacional favorece toda a economia. “O benefício que o plano traz para a economia é a criação de oportunidade para milhões de brasileiros que se organizam em cooperativas autogestionarias pelo Brasil”, afirmou. 

Fonte:

Ministério do Trabalho

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Pesquisa do BC aponta que 56% não colocam no papel as contas do mês
Por outro lado, segundo levantamento do Banco Central, 64% dos entrevistados pagam as contas em dia
Por outro lado, segundo levantamento do Banco Central, 64% dos entrevistados pagam as contas em dia
Pesquisa do BC aponta que 56% não colocam no papel as contas do mês

Últimas imagens

Resultado foi obtido com mercadorias apreendidas ao longo de 2017. Parte dos itens, no entanto, foi doado para organizações da sociedade civil ou incorporado a órgãos públicos
Resultado foi obtido com mercadorias apreendidas ao longo de 2017. Parte dos itens, no entanto, foi doado para organizações da sociedade civil ou incorporado a órgãos públicos
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Rais
Pixabay

Governo digital