Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 01 > Mercado de trabalho encerra 2015 com 39,7 milhões de empregos

Economia e Emprego

Mercado de trabalho encerra 2015 com 39,7 milhões de empregos

Carteira assinada

Governo prepara medidas para incentivar economia e retomar geração de postos de trabalho, após fechamento de 1,5 milhão de vagas no ano passado
por Portal Brasil publicado: 21/01/2016 16h39 última modificação: 22/01/2016 17h11

A prioridade do governo da presidenta Dilma Rousseff em 2016 é recuperar a economia e abrir novos postos de trabalho, disse nesta quinta-feira (21), em Brasília, o ministro do Trabalho, Emprego e da Previdência Social, Miguel Rossetto, durante apresentação dos dados do emprego no ano passado.

O mercado de trabalho formal encerrou 2015 com um estoque de 39,7 milhões de empregos formais – número que já desconta o fechamento de 1,5 milhão de postos de trabalho acumulado no ano passado.

“Tivemos um ano difícil em 2015, mas preservarmos conquistas importantes”, disse o ministro. “Não é correto afirmar que 2015 destruiu as conquistas dos últimos anos, continuamos com o mercado formal elevado no País.”

Ao apresentar os dados, o ministro disse que em 2003 o estoque de empregos no Brasil era de 23,7 milhões de vagas formais. De lá para cá foram gerados 16,7 milhões de empregos.

Sobre o desempenho do ano passado, dos setores de atividade econômica apenas a agricultura registrou saldo positivo na admissão de trabalhadores. Os demais segmentos (indústria, serviços, construção civil e comércio) registraram dispensa líquida de empregados formais.

Para reverter o quadro neste ano, Rossetto disse que o governo prepara um conjunto de medidas para melhorar o desempenho da economia, preservar os empregos existentes e induzir a abertura de novos postos de trabalho.

A melhora da economia e do emprego virá, conforme o ministro, da maior oferta de crédito, do investimento, principalmente na área de infraestrutura, e do aumento das exportações.

Ele acrescentou que alguns setores, como as fábricas de automóveis e a indústria de metal mecânica, indicaram ao governo que pretendem contratar ao longo deste ano.

Renda

Em 2015, os salários médios de admissão dos trabalhadores brasileiros ficaram em R$ 1.270,74, configurando um recuo de 1,64% em relação ao salário médio de admissão de 2014.

Na avaliação do governo a redução não foi significativa. “A queda real do salário de admissão em 2015 foi muito inferior aos aumentos reais dos últimos anos. E esse aumento real do poder de compra (dos últimos anos), acima da inflação, está preservado e é um dado importante”, comentou.

Conforme os dados, o salário médio de admissão passou de R$ 895,69 em 2003 para R$ 1.270,74 em 2015, com um aumento de 41,87%.

Fonte: Ministério do Trabalho, Emprego e Previdência Social

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Linha de crédito beneficia agricultores familiares
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
Linha de crédito beneficia agricultores familiares

Últimas imagens

Sem planejamento, condições facilitadas de crédito podem ser a porta para a inadimplência. Entenda como sair do vermelho
Sem planejamento, condições facilitadas de crédito podem ser a porta para a inadimplência. Entenda como sair do vermelho
Projeção para o próximo ano é de que PIB cresça 1,23%
Projeção para o próximo ano é de que PIB cresça 1,23%
Marcos Santos/USP Imagens
PIB do Sudeste cresceu 1,3% no 2º trimestre; PIB do Norte, 1,2%
PIB do Sudeste cresceu 1,3% no 2º trimestre; PIB do Norte, 1,2%
Marcos Santos/ USP Imagens
Micro e pequenas empresas serão beneficiadas com a medida
Micro e pequenas empresas serão beneficiadas com a medida
Divulgação/MDIC

Governo digital