Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 02 > Aproximação com Aliança do Pacífico é prioridade do Brasil, diz Armando Monteiro

Economia e Emprego

Aproximação com Aliança do Pacífico é prioridade do Brasil, diz Armando Monteiro

Comércio Exterior

Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio está no Chile acompanhando visita oficial da presidenta Dilma Rousseff
por Portal Brasil publicado: 27/02/2016 11h39 última modificação: 27/02/2016 11h39

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, defendeu na noite desta sexta-feira (26), após encontro da presidenta Dilma Rousseff com empresários em Santiago, no Chile, a aproximação do Brasil com os países que formam a Aliança do Pacífico. “O Brasil definiu como uma prioridade da política comercial essa visão de que os países da Aliança do Pacífico são sócios naturais do Brasil”, afirmou.

Monteiro considerou a experiência dos empresários brasileiros com atuação no Chile como uma demonstração de que é possível ampliar o acesso a mercados internacionais. O Chile é um dos países com mais acordos bilaterais de comércio exterior no mundo, são mais de 50 parcerias de livre comércio.

O Chile é também nosso segundo maior parceiro comercial na América do Sul. O Brasil, por sua vez, é maior destino de investimento de empresários chilenos. São mais de US$ 26 bilhões aportados aqui pelos chilenos, que geram cerca de 100 mil empregos.

Por isso, de acordo com o ministro, a assinatura de um acordo de facilitação de investimentos com o Chile ampliou as oportunidades brasileiras no país. Ele citou também que parcerias semelhantes têm sido construídas com outros países que compõem a Aliança do Pacífico.

A aliança é formada por países como Chile, Colômbia e México. O Brasil tem se aproximado desses países por meio de acordos bilaterais, como o de abertura do mercado colombiano ao setor produtivo brasileiro.

A presidenta Dilma se encontrou com empresários brasileiros em Santiago ontem, o que o ministro classificou como mais uma etapa do “diálogo estreito” na relação do governo com o setor produtivo para a retomada da atividade econômica. “A mensagem principal [da reunião] é de que a presidente acha que esse processo de recuperação econômica do Brasil exige um diálogo mais estreito entre o setor produtivo e o governo. Sem as empresas, sem recuperar a confiança, o investimento não volta e disso depende a reanimação da atividade econômica”, afirmou.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , , ,
Assunto(s): Economia, Exportação

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

BC está monitorando mercado internacional
Instituição também divulgou, nesta sexta-feira (24), dados sobre investimentos estrangeiros e transações correntes, de maio
Meirelles: restrição não afetará Saúde e Educação
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou que o governo prosseguirá tendo limite mínimo de recursos para essas áreas
Meirelles: Três Poderes terão limite de gastos
De acordo com o ministro da Fazenda, Reforma Fiscal terá vigência de 20 anos, e pode mudar de critérios a partir do décimo ano
Instituição também divulgou, nesta sexta-feira (24), dados sobre investimentos estrangeiros e transações correntes, de maio
BC está monitorando mercado internacional
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explicou que o governo prosseguirá tendo limite mínimo de recursos para essas áreas
Meirelles: restrição não afetará Saúde e Educação
De acordo com o ministro da Fazenda, Reforma Fiscal terá vigência de 20 anos, e pode mudar de critérios a partir do décimo ano
Meirelles: Três Poderes terão limite de gastos

Governo digital