Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 02 > Aproximação com Aliança do Pacífico é prioridade do Brasil, diz Armando Monteiro

Economia e Emprego

Aproximação com Aliança do Pacífico é prioridade do Brasil, diz Armando Monteiro

Comércio Exterior

Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio está no Chile acompanhando visita oficial da presidenta Dilma Rousseff
por Portal Brasil publicado: 27/02/2016 11h39 última modificação: 27/02/2016 11h39

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Armando Monteiro, defendeu na noite desta sexta-feira (26), após encontro da presidenta Dilma Rousseff com empresários em Santiago, no Chile, a aproximação do Brasil com os países que formam a Aliança do Pacífico. “O Brasil definiu como uma prioridade da política comercial essa visão de que os países da Aliança do Pacífico são sócios naturais do Brasil”, afirmou.

Monteiro considerou a experiência dos empresários brasileiros com atuação no Chile como uma demonstração de que é possível ampliar o acesso a mercados internacionais. O Chile é um dos países com mais acordos bilaterais de comércio exterior no mundo, são mais de 50 parcerias de livre comércio.

O Chile é também nosso segundo maior parceiro comercial na América do Sul. O Brasil, por sua vez, é maior destino de investimento de empresários chilenos. São mais de US$ 26 bilhões aportados aqui pelos chilenos, que geram cerca de 100 mil empregos.

Por isso, de acordo com o ministro, a assinatura de um acordo de facilitação de investimentos com o Chile ampliou as oportunidades brasileiras no país. Ele citou também que parcerias semelhantes têm sido construídas com outros países que compõem a Aliança do Pacífico.

A aliança é formada por países como Chile, Colômbia e México. O Brasil tem se aproximado desses países por meio de acordos bilaterais, como o de abertura do mercado colombiano ao setor produtivo brasileiro.

A presidenta Dilma se encontrou com empresários brasileiros em Santiago ontem, o que o ministro classificou como mais uma etapa do “diálogo estreito” na relação do governo com o setor produtivo para a retomada da atividade econômica. “A mensagem principal [da reunião] é de que a presidente acha que esse processo de recuperação econômica do Brasil exige um diálogo mais estreito entre o setor produtivo e o governo. Sem as empresas, sem recuperar a confiança, o investimento não volta e disso depende a reanimação da atividade econômica”, afirmou.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Blog do Planalto

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , , ,
Assunto(s): Economia, Exportação

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho

Últimas imagens

Com redução de burocracia, empresas ganham condições para tirar projetos da gaveta e contratar mais funcionários
Com redução de burocracia, empresas ganham condições para tirar projetos da gaveta e contratar mais funcionários
Tony Winston/Agência Brasília
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Divulgação/Prefeitura de Arapiraca (AL)
Governo e empresários têm debatido, no Conselhão, medidas para garantir a redução da burocracia estatal
Governo e empresários têm debatido, no Conselhão, medidas para garantir a redução da burocracia estatal
Marcos Corrêa/PR
Ao procurar uma repartição pública, cidadão poderá ter acesso a uma carta de serviços que a unidade oferece
Ao procurar uma repartição pública, cidadão poderá ter acesso a uma carta de serviços que a unidade oferece
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa

Governo digital