Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 02 > BNDES bate recorde com R$ 7,4 bi destinados a parques eólicos em 2015

Infraestrutura

BNDES bate recorde com R$ 7,4 bi destinados a parques eólicos em 2015

Energias renováveis

O valor representa um aumento de 12,7% em relação ao montante aprovado no ano anterior, de R$ 6,58 bilhões
por Portal Brasil publicado: 03/02/2016 20h48 última modificação: 11/02/2016 15h35

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é o principal financiador do setor eólico brasileiro e encerrou o ano passado com R$ 7,42 bilhões em aprovações para 82 novos projetos do setor. Os projetos somam 2.102 megawatts (MW) de potência instalada. O valor representa um aumento de 12,7% em relação ao montante aprovado no ano anterior, de R$ 6,58 bilhões.

A quantidade de projetos aprovados mais que dobrou, passando de 40 para 82 — crescimento de 105%. Desde 2003, o apoio do Banco à geração eólica somou R$ 27,5 bilhões, para 264 projetos, com potência instalada no total de 4.975 MW. Além de ampliar a participação da energia limpa na matriz energética brasileira, os projetos contribuem para reduzir as emissões e dinamizar a economia de seus entornos, gerando emprego e renda.

Novos projetos

No fim de 2015, BNDES aprovou três novos financiamentos, no valor total de R$ 1,4 bilhão, para complexos eólicos em Pernambuco, Rio Grande do Sul e Ceará. Os três projetos terão 274 aerogeradores, com potência instalada total de 495,6 MW, e devem gerar 1,6 mil empregos diretos e cerca de 3,5 mil indiretos na fase de implantação.

Quando estiverem prontos, os empreendimentos devem gerar 133 empregos diretos e 250 indiretos nos três Estados. As três operações contemplam também subcréditos de R$ 7,1 milhões no âmbito da linha Investimentos Sociais de Empresas (ISE).

Pernambuco

A maior operação, de R$ 658,3 milhões, apoia a implantação do Complexo Eólico de São Clemente, do grupo Casa dos Ventos, com capacidade instalada de 216,1 MW. Orçado em R$ 1,1 bilhão, o complexo reunirá oito parques, instalados nos municípios de Caetés, Capoeiras, Pedra e Venturosa, no Agreste Pernambucano.

Está prevista a geração de 500 empregos diretos e mil indiretos na fase de construção. Quando entrar em funcionamento, o projeto deverá criar 30 vagas diretas e 50 indiretas. A operação, na modalidade project finance, que prevê o pagamento com os ganhos obtidos na venda da energia, inclui R$ 3,3 milhões para apoiar projetos sociais.

Rio Grande do Sul

A segunda maior operação foi o apoio de R$ 496,5 milhões ao Complexo Eólico de Hermenegildo, nos municípios gaúchos de Santa Vitória do Palmar e Chuí. Orçado em R$ 1,04 bilhão, o complexo — pertencente à Eletrosul e Renobrax — tem capacidade de 180,8 MW, distribuída por 12 parques eólicos.

O complexo entrou em operação comercial em novembro de 2015. Em sua construção, foram criados 700 empregos diretos e 1,2 mil indiretos. Em operação são 70 diretos e 100 indiretos. A operação contempla R$ 2,47 milhões para projetos sociais nas áreas de educação, saneamento e turismo sustentável nos dois municípios.

Do total financiado pelo BNDES, R$ 346,5 milhões serão desembolsados diretamente pelo Banco, e os R$ 150 milhões restantes serão repassados pelo Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

Ceará

Para o Complexo Eólico de Aracati (CE) do Grupo Alupar, foram aprovados R$ 261,3 milhões. Orçado em R$ 483,15 milhões, o complexo, formado por cinco parques eólicos, terá potência instalada de 98,7 MW.

Na construção devem ser criados cerca de 425 empregos diretos e 1,3 mil indiretos. Em operação serão 33 diretos e 100 indiretos. No âmbito da linha ISE, foi aprovado o apoio de R$ 1,3 milhão para projetos sociais.

Fonte: Portal Brasil, com informações do BNDES

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Causadores se multiplicam nos vasos nas plantas
Conheça as doenças sistêmicas na cultura do milho

Últimas imagens

Com redução de burocracia, empresas ganham condições para tirar projetos da gaveta e contratar mais funcionários
Com redução de burocracia, empresas ganham condições para tirar projetos da gaveta e contratar mais funcionários
Tony Winston/Agência Brasília
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Objetivo é minimizar os efeitos negativos na produção e renda dos agricultores da região
Divulgação/Prefeitura de Arapiraca (AL)
Governo e empresários têm debatido, no Conselhão, medidas para garantir a redução da burocracia estatal
Governo e empresários têm debatido, no Conselhão, medidas para garantir a redução da burocracia estatal
Marcos Corrêa/PR
Ao procurar uma repartição pública, cidadão poderá ter acesso a uma carta de serviços que a unidade oferece
Ao procurar uma repartição pública, cidadão poderá ter acesso a uma carta de serviços que a unidade oferece
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Os recursos ficarão disponíveis ao trabalhador e podem ser sacados até 29 de junho de 2018
Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa

Governo digital