Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 02 > Brasil estará presente em feira de alimentos em Dubai com 86 empresas

Economia e Emprego

Brasil estará presente em feira de alimentos em Dubai com 86 empresas

Oriente Médio

A Gulfood será realizada de 21 a 25 de fevereiro; Apex estima fechamento de US$ 659 milhões em negócios com produtos brasileiros
por Portal Brasil publicado: 10/02/2016 13h34 última modificação: 12/02/2016 17h05

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) levará este ano 86 empresas brasileiras à Gulfood, principal feira de alimentos e bebidas do Oriente Médio. O evento será realizado em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, de 21 a 25 de fevereiro. A estimativa da Apex é o fechamento de US$ 659 milhões em negócios durante a feira e ao longo dos 12 meses seguintes. No ano passado, 72 empresas brasileiras participaram da Gulfood, e os negócios chegaram a US$ 646 milhões. A expectativa da Apex para este ano é de um aumento de 2% no volume negociado.

“Todas as ações da Apex estão de acordo com o Plano Nacional de Exportações [PNE, lançado em junho de 2015, que tem como um dos objetivos combater a crise estimulando as vendas externas]. E há uma crescente demanda pelas empresas, com a economia interna desaquecida e a queda do real [frente ao dólar]”, afirma o coordenador de Promoção de Negócios da agência, Rafael Prado.

“Não basta querer exportar. Se a empresa estiver pronta, vai com a gente [a missões e feiras para prospectar clientes e fechar negócios]. Se não, precisa fazer capacitação”, explica o coordenador a respeito da necessidade de os empresários se preparem para atuar no mercado externo. Rafael informa que a Apex oferece a capacitação sem custos, por meio do Programa de Extensão Industrial da Empresa Exportadora (Peiex), direcionado a empresas iniciantes no comércio exterior.

No caso de eventos como a Gulfood, a assessoria oferecida pela Apex é mais especializada. Segundo Rafael, este ano, os empresários brasileiros terão uma consultoria para identificar potenciais compradores com seu perfil. Além disso, no pavilhão reservado ao Brasil na feira, haverá dois restaurantes para degustação de comidas típicas e carnes. “Estamos levando serviços agregados ao pacote, como um chefe de cozinha para trabalhar as diferenças culturais com os exportadores.”

Adaptação

O empresário Marcos Roberto Pinotti, sócio-proprietário da Juice In Time, fabricante brasileira de suco em cápsulas, já passou pelo processo de conhecer o cliente estrangeiro e adaptar o seu produto às necessidades do comprador. A empresa, que também comercializa as máquinas para preparo do suco, começou a vender para Dubai em 2015 e irá à Gulfood pela primeira vez este ano.

“O nosso contrato [para exportação] foi assinado em maio do ano passado. Os selos do nosso produto já estão em inglês e árabe, e fizemos a primeira venda no finalzinho de 2015. Atualmente, temos um escritório físico em Dubai, mas nossa meta é expandir para todo o Oriente Médio”, conta o empresário. Segundo ele, o objetivo com a participação na feira de alimentos e bebidas é captar pelo menos 50 novos clientes.

De acordo com Marcos Pinotti, exportar era objetivo da empresa desde a sua criação, em 2010. Foram três anos de desenvolvimento do produto, até a apresentação do primeiro protótipo, em 2013. Em 2014, começaram as vendas. “Sempre esteve nos nossos planos exportar. O grande fator de decisão é que o poder aquisitivo é maior fora do Brasil.” Ele reconhece, porém, que o momento atual torna mais atrativo investir nas exportações. “Independentemente da variação do dólar, é um mercado muito interessante. Mas quando vem a crise, o dólar alto, é lógico que isso impulsiona o nosso desejo de exportar”, comenta.

A Apex aponta que, em 2015, o Brasil exportou US$ 10 bilhões em alimentos e bebidas para o Oriente Médio e o Norte da África, que são os compradores em potencial dos produtos brasileiros na Gulfood. Os destaques foram a carne de frango, o milho, açúcar e a carne bovina.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Linha de crédito beneficia agricultores familiares
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
Linha de crédito beneficia agricultores familiares

Últimas imagens

Insatisfação com serviços e produtos oferecidos por instituições financeiras pode ser registrada no Banco Central
Insatisfação com serviços e produtos oferecidos por instituições financeiras pode ser registrada no Banco Central
Divulgação/Agência Brasil
O setor movimenta cerca de R$ 15 bilhões no Brasil
O setor movimenta cerca de R$ 15 bilhões no Brasil
Divulgação/Governo da Bahia
O segurado terá que solicitar nova perícia nos últimos 15 dias antes da data limite
O segurado terá que solicitar nova perícia nos últimos 15 dias antes da data limite
Antonio Cruz/Agência Brasil
Cada agricultor familiar local pode vender até R$ 20 mil anuais, por órgão comprador
Cada agricultor familiar local pode vender até R$ 20 mil anuais, por órgão comprador
Sergio Amaral/MDSA

Governo digital