Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 02 > Economia com horário de verão foi de R$ 162 milhões, diz ONS

Economia e Emprego

Economia com horário de verão foi de R$ 162 milhões, diz ONS

ONS

O horário de verão (temporada 2015/2016) terminou na virada de sábado (20/02) para domingo (21/02), quando os ponteiros dos relógios foram atrasados em uma hora
publicado: 19/02/2016 18h54 última modificação: 01/03/2016 17h05
Agência Brasil Com o horário de verão, houve redução da demanda de 2.598 megawatts no horário pico

Com o horário de verão, houve redução da demanda de 2.598 megawatts no horário pico

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou na última sexta-feira (19) que o País economizou R$ 162 milhões durante o horário de verão deste ano, que acabou na virada de sábado para este domingo (21). A economia foi possível porque, com o horário diferenciado, não foi preciso adicionar mais energia de usinas termelétricas para garantir o abastecimento do País nos horários de pico.

O horário de verão (temporada 2015/2016) terminou na virada de sábado (20) para domingo (21), quando os ponteiros dos relógios foram atrasados em uma hora. A orientação é válida para os Estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

A expectativa inicial do ONS, no início do horário de verão, era de uma economia de R$ 240 milhões em função da diminuição de geração térmica. O operador ainda não explicou porque a meta não foi atingida.

A diminuição de demanda equivale a uma redução de energia de 0,5% da carga nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, onde o horário de verão foi implementado. Segundo o ONS, a continuidade da aplicação do horário de verão representa um custo evitado de investimento no sistema elétrico de R$ 7,7 bilhões, que seriam necessários caso a medida não fosse adotada.

Nos 126 dias em que o horário diferenciado vigorou, houve uma redução da demanda no horário de pico de consumo de 2.598 megawatts (MW), sendo 1.950 MW no subsistema Sudeste/Centro-Oeste, e 648 MW no subsistema Sul. Esta redução representa aproximadamente 4,5% da demanda de ponta dos dois subsistemas. No caso do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, a redução equivale a uma vez e meia a carga no horário de ponta de Brasília. No Sul, representa o dobro da carga no horário de ponta de Florianópolis.

“O principal benefício do horário de verão é o aumento da segurança operacional, resultante da diminuição dos carregamentos na rede de transmissão, proporcionando maior flexibilidade operativa para a realização de manutenção em equipamentos”, informou o ONS.

Nos últimos dez anos, a medida tem possibilitado uma redução média de 4,5% na demanda por energia no horário de maior consumo e uma economia absoluta de 0,5%, o que equivale, em todo o período do horário de verão,  aproximadamente ao consumo mensal de energia da cidade de Brasília, com 2,8 milhões de habitantes.

No Brasil, o horário de verão foi instituído pela primeira vez no verão de 1931/1932, pelo então presidente Getúlio Vargas. Sua versão de estreia durou quase meio ano, vigorando de 3 de outubro de 1931 até 31 de março de 1932. No verão seguinte foi reeditada a medida com o mesmo tempo de duração. Posteriormente, a adoção da medida foi retomada em períodos não consecutivos, nos anos de 1949 até 1953, de 1963 até 1968, e nos tempos atuais a partir de 1985. O período de vigência é variável, mas em média a duração da aplicação da medida no Brasil tem sido de 120 dias, nos últimos 20 anos.

O principal objetivo do horário de verão é o melhor aproveitamento da luz natural em relação à artificial, adiantando-se os relógios em uma hora, de forma a reduzir a concentração de consumo de energia elétrica no horário entre 18 horas e 21 horas. A redução na coincidência de consumo entre os diversos consumidores de energia elétrica nesse horário, pela aplicação do horário diferenciado, provoca uma distensão do período de maior consumo de energia elétrica, e uma redução do valor do pico do consumo de energia elétrica, chamado de demanda máxima de energia elétrica. 

Vários países fazem mudança no horário convencional para aproveitar a luminosidade do verão. Como exemplo, podem ser citados os países membros da União Europeia, a maioria dos países que formavam a antiga União Soviética, a maioria do Oriente Médio (Irã, Iraque, Síria, Líbano, Israel, Palestina), parte da Oceania (Austrália, em parte do seu território, e Nova Zelândia), a América do Norte (Canadá, Estados Unidos e México), alguns da América Central (Cuba, Honduras, Guatemala, Haiti e Bahamas), e da América do Sul (Brasil, Paraguai, Uruguai e Chile).

Muitos desses países estão situados nas regiões considerados como tropicais, como o Brasil e o Paraguai, na América do Sul, Cuba, Honduras, Guatemala e Haiti, na América Central, o México, na América do Norte, a Austrália, na Oceania, o Egito e o Marrocos, na África. Nos Estados Unidos, a medida se consolida no chamado “Daylight Saving Time”, que começa normalmente no primeiro domingo de abril e dura até o último domingo de outubro. 

Fonte: Agência Brasil

Infográfico - Horário de Verão

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Linha de crédito beneficia agricultores familiares
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
O Ministério da Integração Nacional irá apoiar o setor privado com a maior oferta da história para os Fundos Regionais para o desenvolvimento, R$ 117 bilhões ao longo dos próximos 4 anos
Fundos Regionais receberão R$ 28 bilhões em 2017
O prazo para sacar o benefício (ano-base 2014) vai até 31 de agosto
Tutorial: Como consultar o Abono Salarial (ano-base 2014)
Agricultores familiares podem contar com linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para modernizar e subsidiar custeio da produção.
Linha de crédito beneficia agricultores familiares

Últimas imagens

O segurado terá que solicitar nova perícia nos últimos 15 dias antes da data limite
O segurado terá que solicitar nova perícia nos últimos 15 dias antes da data limite
Antonio Cruz/Agência Brasil
Cada agricultor familiar local pode vender até R$ 20 mil anuais, por órgão comprador
Cada agricultor familiar local pode vender até R$ 20 mil anuais, por órgão comprador
Sergio Amaral/MDSA
Taxa de investimentos produtivos interrompe sequência de oito trimestres de queda e país volta a gerar riqueza
Taxa de investimentos produtivos interrompe sequência de oito trimestres de queda e país volta a gerar riqueza
Marcos Santos/USP Imagens
O sistema de bandeiras multiplica o consumo pelo valor da bandeira, se ela for amarela ou vermelha
O sistema de bandeiras multiplica o consumo pelo valor da bandeira, se ela for amarela ou vermelha
Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Governo digital