Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 03 > Balança comercial tem o melhor fevereiro desde 1989

Economia e Emprego

Balança comercial tem o melhor fevereiro desde 1989

MDIC

Superávit de US$ 3 bilhões foi o melhor resultado para meses de fevereiro em 27 anos
por Portal Brasil publicado: 02/03/2016 12h29 última modificação: 08/03/2016 17h59

A balança comercial registrou superávit de US$ 3 bilhões em fevereiro, melhor resultado para meses de fevereiro de toda a série histórica iniciada em 1989. Com esse resultado, a balança acumula saldo positivo de US$ 3,965 bilhões no ano, revertendo o déficit de US$ 6,010 bilhões registrados no primeiro bimestre de 2015. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

No mês passado, as exportações totalizaram US$ 13,348 bilhões, e as importações, US$ 10,305 bilhões. A corrente de comércio foi de US$ 23,652 bilhões. 

No mês passado, as exportações cresceram 4,6% em comparação ao mesmo mês de 2015. Isso interrompeu uma série de 17 meses de resultados negativos. O último crescimento das exportações havia sido registrada no comparativo agosto de 2014 com agosto de 2013.

As vendas de bens industrializados foram determinantes para o resultado. As exportações somadas de manufaturados e semimanufaturados cresceram 9,6% em relação a fevereiro do ano passado. Um destaque envolveu as vendas externas de veículos (que incluem ônibus, caminhões, automóveis e comerciais leves) que aumentaram 52,1%. Em fevereiro de 2016, o setor foi responsável por exportações de US$ 604 milhões, enquanto no mesmo mês do ano passado as vendas alcançaram US$ 397 milhões.

Também em unidades exportadas, o crescimento foi expressivo: 85,5%, com a evolução de 27,5 mil unidades para 51 mil (sempre comparando fevereiro de 2016 com o mesmo mês de 2015). Segundo o diretor do Departamento de Estatística e Apoio à Exportação (Deaex) da Secex/MDIC, Herlon Brandão, os principais destinos foram Argentina e México. “Esse desempenho é resultado dos acordos fechados pelo Brasil e também do atual patamar do câmbio, que favorece as exportações”, ressaltou.

No mesmo período de comparação, as exportações de básicos registraram queda de 0,5%. Para Brandão, houve impacto da diminuição dos preços internacionais, principalmente de commodities minerais, como minério de ferro e petróleo. Por outro lado, ele destacou o crescimento do volume das exportações de commodities agrícolas, como milho e soja, cujos embarques aumentaram 386% e 134,5%, respectivamente.

No geral, o índice quantum, que mede o volume de exportações, cresceu 30,7% no mês, enquanto os preços dos produtos exportados por empresas brasileiras caíram em média 19%.

Exportações

A média diária das exportações em fevereiro chegou a US$ 702,5 milhões, 4,6% acima da média verificada em fevereiro do ano passado (US$ 671,8 milhões), resultado do embarque de produtos manufaturados (US$ 5,443 bilhões), básicos (US$ 5,245 bilhões) e semimanufaturados (US$ 2,283 bilhões). Na comparação com janeiro de 2016, a média diária das exportações subiu 24,9% (US$ 562,3 milhões).  

As exportações de manufaturados subiram 7,9% no mês em comparação a fevereiro de 2015. O desempenho do grupo foi puxado principalmente por tubos flexíveis de ferro e aço (531,1%), etanol (244,8%), suco de laranja congelado (83,2%), suco de laranja não congelado (81,9%), automóveis (58,3%), torneiras e válvulas (57,5%), veículos de carga (39,6%), polímeros plásticos (39,4%), açúcar refinado (35,9%), laminados planos (17,9%), pneumáticos (16,3%), máquinas para terraplanagem (10,5%) e aviões (9,3%).

No grupo de produtos semimanufaturados (com  alta de 14% no comparativo a fevereiro do ano passado) cresceram as vendas principalmente de açúcar em bruto (121,6%), catodos de cobre (63,2%), celulose (32,4%) e madeira serrada (22,1%).

As exportações de produtos básicos caíram 0,5%, especialmente envolvendo minério de ferro (-48,8%), petróleo em bruto (-28,2%), café em grão (-23,8%), carne de frango (-14,7%) e farelo de soja (-11,4%). Por outro lado, cresceram as vendas de milho em grão (309,5%), soja em grão (95,8%), algodão em bruto (53,4%), carne suína (27,1%), fumo em folhas (16,0%), carne bovina (12,7%) e minério de cobre (9,9%).

Importações

No mês de fevereiro, as importações caíram 34,6% sobre o mesmo mês do ano passado, na comparação pela média diária: US$ 542,4 milhões em fevereiro de 2016 contra US$ 829,6 milhões, no mesmo mês de 2015. No mês, decresceram as importações de combustíveis e lubrificantes (-54,6%), bens de capital (-33,3%), bens intermediários (-32,5%) e bens de consumo (-20,5%).

No grupo dos combustíveis e lubrificantes, a retração ocorreu principalmente pela diminuição dos preços de naftas, gasolina, petróleo em bruto, gás natural e carvão.

No segmento bens de consumo, as principais quedas foram observadas nas importações de equipamento de transporte não industrial, automóveis de passageiros, bens de consumo duráveis – exceto equipamento de transporte, bens de consumo semiduráveis e alimentos/bebidas para consumo doméstico.

No segmento de bens intermediários, decresceram as aquisições de peças e acessórios para bens de capital, alimentos/bebidas para indústria, insumos industriais básicos e elaborados e peças para equipamentos de transporte.

Com relação a bens de capital, decresceram as importações nos dois subgrupos: equipamentos de transporte industrial; e bens de capital, exceto equipamentos de transporte industrial.

Bimestre 

No primeiro bimestre, a balança comercial acumula um superávit de US$ 3,965 bilhões, revertendo o déficit registrado em igual período de 2015 (US$ 6,010 bilhões).

No acumulado do primeiro bimestre de 2016, as exportações somaram US$ 24,593 bilhões, e as importações, US$ 20,628 bilhões – valores 4,7% e 35,1% menores, respectivamente, que os registrados no mesmo período do ano passado (pela média diária). A corrente de comércio totalizou US$ 45,221 bilhões, uma queda de 21,5% sobre o mesmo período de 2015 (US$ 57,602 bilhões), pela média diária.

Fonte: Portal Brasil, com informações do MDIC

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , ,
Assunto(s): Comércio exterior

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Nova meta fiscal prevê economia de R$74 bilhões a mais que planejamento anterior
Presidente interino, Michel Temer, entrega nova meta fiscal para o Senado Federal, nesta segunda (23)
Cresce número de cervejarias registradas no País
Entre o início de abril e a primeira quinzena de maio, o número de cervejarias no país, registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento,​ passou de 320 para 397
Dilma participa da abertura da colheita em Eldorado do Sul
Presidenta também inaugurou a unidade de secagem e armazenagem de arroz da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados de Porto Alegre
Presidente interino, Michel Temer, entrega nova meta fiscal para o Senado Federal, nesta segunda (23)
Nova meta fiscal prevê economia de R$74 bilhões a mais que planejamento anterior
Entre o início de abril e a primeira quinzena de maio, o número de cervejarias no país, registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento,​ passou de 320 para 397
Cresce número de cervejarias registradas no País
Presidenta também inaugurou a unidade de secagem e armazenagem de arroz da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados de Porto Alegre
Dilma participa da abertura da colheita em Eldorado do Sul

Últimas imagens

Serão oferecidos mais de 75 mil imóveis, novos e usados
Serão oferecidos mais de 75 mil imóveis, novos e usados
Divulgação/Agência Brasil
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante entrevista coletiva à imprensa nesta terça-feira (24)
Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, durante entrevista coletiva à imprensa nesta terça-feira (24)
Foto: Agência Brasil
Em um único ambiente eletrônico estarão as informações relacionadas à titularidade dos imóveis envolvendo operações como alienações, doações e garantias
Em um único ambiente eletrônico estarão as informações relacionadas à titularidade dos imóveis envolvendo operações como alienações, doações e garantias
Foto: Pref. de Jundiaí/SP
Além de corrigir a tabela do IRPF, o projeto reduz benefícios fiscais concedidos às centrais petroquímicas e às indústrias químicas
Além de corrigir a tabela do IRPF, o projeto reduz benefícios fiscais concedidos às centrais petroquímicas e às indústrias químicas
Foto: Governo da BA

Governo digital