Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 03 > Brasil e EUA debatem Tratado de Cooperação Econômica e Comercial

Economia e Emprego

Brasil e EUA debatem Tratado de Cooperação Econômica e Comercial

Relações econômicas

Durante a sessão ministerial, os ministros mantiveram discussões aprofundadas sobre as respectivas abordagens do Brasil e dos EUA
por Portal Brasil publicado: 30/03/2016 19h30 última modificação: 30/03/2016 19h17

A 3ª Reunião do Tratado de Cooperação Econômica e Comercial (Atec) foi realizada nos dias 29 e 30 de março, em Washington, nos Estados Unidos. O encontro garantiu espaço para os dois países tratarem dos principais temas da agenda atual e dos desafios futuros nas relações econômicas e comerciais Brasil-EUA, destaca o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Atendendo ao compromisso alcançado pelo presidente Barack Obama e pela presidenta Dilma Rousseff no sentido de "incrementar esforços para expandir o comércio e os investimentos, bem como aumentar a competitividade e a diversidade de nossas duas economias", esta foi a primeira reunião  realizada em nível ministerial, reunindo as mais altas autoridades encarregadas de comércio nos Estados Unidos, o representante de Comércio Michael Froman, e pelo Brasil, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, Armando Monteiro.

Durante a sessão ministerial, realizada nesta quarta-feira (30), os ministros mantiveram discussões aprofundadas sobre as respectivas abordagens do Brasil e dos EUA em matéria de negociações de comércio e investimentos, o que propiciou oportunidade para troca de informações e de identificação de pontos de convergência.

À luz da bem sucedida conclusão da Conferência Ministerial da OMC em Nairóbi, no último mês de dezembro, os três ministros também se engajaram em uma produtiva discussão sobre a implementação da Declaração de Nairóbi e compartilharam ideias sobre a próxima reunião ministerial da OMC.

Durante a sessão técnica, realizada no dia 29, autoridades dos dois lados discutiram amplo conjunto de temas de comércio e investimento, incluindo cooperação em foros multilaterais; estratégias para expandir investimentos em manufaturas; biotecnologia agrícola; cooperação regulatória; bem como preocupações específicas de acesso a mercados em ambos os lados.

Ao fim da reunião, o ministro Armando Monteiro realçou o reconhecimento, pelos dois países, dos grandes avanços feitos no último ano para ampliar as relações comerciais: “Nossa agenda, estabelecida a partir do início de 2015, foi focada em remover barreiras não-tarifárias, e evoluiu significativamente com acordos na área de convergência regulatória, facilitação de comércio e propriedade intelectual, temas essenciais para o comércio bilateral, majoritariamente composto por produtos industrializados. Foi uma renovação do comprometimento com a nossa parceria e a evolução constante das nossas relações de comércio e investimentos”.

O ministro Mauro Vieira destacou a importância do mercado norte-americano para as exportações brasileiras, em particular de bens manufaturados, o que "demonstra claramente a competitividade da indústria brasileira e a integração das cadeias de valor entre nossos dois países".

Bens industriais corresponderam a mais de 60% das exportações brasileiras para os EUA em 2015 – um claro avanço com relação aos 53% observados em 2014. O ministro ressaltou ainda que "não obstante a importância de nossas exportações tradicionais de produtos agropecuários para os EUA – as quais certamente esperamos ver aumentadas significativamente, com mais exportação de carnes, açúcar e frutas, por exemplo – os três principais produtos de exportação do Brasil para os Estados Unidos são, respectivamente, máquinas, aeronaves e produtos de ferro e aço".

Os EUA são o segundo principal parceiro comercial do Brasil. O intercâmbio bilateral total, somando-se bens e serviços, chegou próximo a US$ 100 bilhões em 2015. Os norte-americanos são o principal investidor estrangeiro direto no Brasil, com um estoque acumulado de investimentos da ordem de US$ 110 bilhões, segundo dados do Banco Central do Brasil. O Brasil investiu US$ 1,9 bilhão nos Estados Unidos em 2015, elevando o estoque acumulado de investimento direto no país a mais de US$ 13 bilhões.

Fonte: Mdic

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Ministério do Trabalho organiza ações de incentivo a contratação de pessoas com deficiência
Atividades fazem parte do Dia D da Inclusão Social e Profissional de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no mercado de trabalho
Pesquisa avalia evolução da agricultura no Brasil nos últimos 40 anos
A pesquisadora da Embrapa Marisa Prado explica a evolução do setor no contexto mundial
Meirelles cita ações para recuperação econômica
Em seminário da Fiesp, em São Paulo, Henrique Meirelles destacou a limitação dos gastos públicos, entre outras ações do governo para recuperação da economia
Atividades fazem parte do Dia D da Inclusão Social e Profissional de Pessoas com Deficiência e Reabilitados pelo INSS no mercado de trabalho
Ministério do Trabalho organiza ações de incentivo a contratação de pessoas com deficiência
A pesquisadora da Embrapa Marisa Prado explica a evolução do setor no contexto mundial
Pesquisa avalia evolução da agricultura no Brasil nos últimos 40 anos
Em seminário da Fiesp, em São Paulo, Henrique Meirelles destacou a limitação dos gastos públicos, entre outras ações do governo para recuperação da economia
Meirelles cita ações para recuperação econômica

Últimas imagens

Em um ano, governo economizou R$ 1,77 bilhão
Em um ano, governo economizou R$ 1,77 bilhão
Reprodução/Agência Brasil
A partir do dia 5 de outubro, cada estado terá disponível a quantidade necessária de carteiras para atender à demanda local
A partir do dia 5 de outubro, cada estado terá disponível a quantidade necessária de carteiras para atender à demanda local
Foto: Agência Brasil/Arquivo
Acordo prevê certificação de produtos de defesa, mecanismos de exportação que possam se consolidar em negócios
Acordo prevê certificação de produtos de defesa, mecanismos de exportação que possam se consolidar em negócios
Reprodução/Agência Brasil
Segundo Dyogo Oliveira,  há sinais que apontam para a recuperação da economia brasileira
Segundo Dyogo Oliveira, há sinais que apontam para a recuperação da economia brasileira
Marcos Santos/USP
Banco Central explica que essas operações terão taxas mais baratas, de até 12% ao ano
Banco Central explica que essas operações terão taxas mais baratas, de até 12% ao ano
BCB

Governo digital