Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 03 > Exame toxicológico agora é obrigatório para motoristas profissionais

Economia e Emprego

Exame toxicológico agora é obrigatório para motoristas profissionais

Segurança

Os exames devem ser realizados antes da admissão e por ocasião do desligamento de motoristas do transporte de passageiros e de cargas
publicado: 03/03/2016 10h30 última modificação: 03/03/2016 11h59

A portaria que regulamenta a realização de exames toxicológicos em motoristas profissionais do transporte rodoviário coletivo de passageiros e de cargas entrou em vigor nesta quarta-feira (2). Os exames devem ser realizados antes da admissão e por ocasião do desligamento desses trabalhadores. As regras estavam previstas na portaria nº 116 do Ministério do Trabalho Previdência Social (MTPS), publicada em novembro do ano passado, e agora passam a valer.

De acordo com as novas regras, a empresa contratante do motorista deverá encaminhar o trabalhador a um ponto de coleta conveniado para a realização do exame. “Cabe à empresa pagar pelos exames envolvidos na contratação e no desligamento”, explica o diretor do Departamento de Saúde e Segurança no Trabalho, Rinaldo Marinho.

Nos próximos 45 dias, o Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS) vai prestar orientações sobre a nova norma. A ideia, segundo o diretyr, é esclarecer as empresas quanto ao cumprimento da portaria, como a realização dos exames em laboratórios credenciados e o custeio por parte do empregador. Após este período, caso a norma não seja cumprida, a empresa será autuada e pode ser multada.

O exame toxicológico tem validade de 60 dias, a partir da data da coleta da amostra, e deverá ter como janela de detecção, para consumo de substâncias psicoativas, uma análise retrospectiva mínima de 90 dias e somente poderá ser realizado por laboratórios acreditados.

O motorista receberá um laudo laboratorial detalhado com a relação de substâncias testadas e com os seus respectivos resultados. O profissional terá direito à contraprova, à confidencialidade dos resultados e à consideração do uso de medicamento prescrito, devidamente comprovado.

Estatísticas

Segundo o diretor, os motoristas de caminhão são aqueles que mais sofrem acidentes fatais de trabalho, por causa de situações como excesso de jornada e consumo de drogas lícitas e ilícitas. “Essa é a ocupação com o maior número de mortes em acidentes de trabalho. São 15% dos óbitos. Em 2014, o número de motoristas de caminhão que perderam a vida no exercício profissional chegou a 399, das 2.660 mortes registradas pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), em todas as ocupações”. “O objetivo é nortear políticas públicas que ajudarão na prevenção desses acidentes e no trânsito”.

Fonte: Ministério do Trabalho e Previdência Social

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Frutas e hortaliças ficam mais baratas em junho
Informação integra sétimo Boletim de Hortigranjeiros das Ceasas, divulgado nesta terça-feira (18) pela Conab
Informação integra sétimo Boletim de Hortigranjeiros das Ceasas, divulgado nesta terça-feira (18) pela Conab
Frutas e hortaliças ficam mais baratas em junho

Últimas imagens

Programa permite a liquidação de débitos de contribuições previdenciárias
Programa permite a liquidação de débitos de contribuições previdenciárias
Marcos Santos/USP Imagens
Equipe também anunciou congelamento adicional de despesas do Orçamento de R$ 5,9 bilhões
Equipe também anunciou congelamento adicional de despesas do Orçamento de R$ 5,9 bilhões
Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Milho será comercializado com novos valores
Milho será comercializado com novos valores
Foto? Alberto Coutinho/SecomGovBA
Resultados preliminares apontam para alta de 1,2 ponto no indicador
Resultados preliminares apontam para alta de 1,2 ponto no indicador
Arquivo EBC
Queda nos preços dos alimentos foram importantes para o resultado de julho
Queda nos preços dos alimentos foram importantes para o resultado de julho
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Governo digital