Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 03 > Mulheres são maioria em universidades e cursos de qualificação

Economia e Emprego

Mulheres são maioria em universidades e cursos de qualificação

Pesquisa

Dados do Plano Nacional de Qualificação, do Ministério do Trabalho e Previdência Social apontam, entretanto, diferença de remuneração em relação aos homens
publicado: 10/03/2016 13h00 última modificação: 31/03/2016 21h16

As mulheres são maioria nas escolas, universidades, cursos de qualificação, mas ainda recebem menos do que os homens para desempenhar as mesmas atividades e estão mais sujeitas a trabalhos com menor remuneração e condições mais precárias.

Das mulheres ocupadas com 16 anos ou mais de idade, 18,8% possuíam Ensino Superior completo, enquanto para homens, na mesma categoria, esse percentual é de 11%, apontam dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) de 2014, realizada pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A pesquisa indica ainda que as mulheres são maioria para Ensino Médio completo ou Superior incompleto: 39,1% das mulheres se enquadram nessa categoria, contra 33,5% dos homens.

Para as mulheres, no entanto, maior escolaridade e presença nos cursos de qualificação não se traduz em maiores rendimentos, e essa diferença se amplia conforme aumenta a escolarização. As mulheres com cinco a oito anos de estudo receberam por hora, em média, R$ 7,15, e os homens, com a mesma escolaridade, R$ 9,44, uma diferença de R$ 24%. Para 12 anos de estudo ou mais, essa diferença na remuneração vai a 33,9%, com R$ 22,31 para mulheres e R$ 33,75 para homens.

"Os estudos apontam que as mulheres têm mais escolaridade que os homens, mais isso não tem sido determinante para que ela possa entrar em setores mais qualificados e, mesmo ela estando nesses setores, ela recebe menos e não é valorizado o seu grau de instrução", afirma Rosane da Silva, coordenadora do Núcleo de Gênero do MTPS.

No entanto, apesar dessa diferenciação por gênero ainda existir no mercado de trabalho brasileiro, as mulheres vêm conquistando avanços e espaços e diminuindo, ainda que lentamente, a diferença entre salários e rendimentos. Em 2004, ainda segundo dados da Pnad, a diferença da remuneração por hora entre homens e mulheres foi, em média, de 38,53% para trabalhadoras com 12 anos de estudo ou mais.

A busca por diminuir essa diferença é contínua e envolve o fortalecimento de políticas públicas que estimulem a igualdade de gênero no mercado de trabalho, além de exemplos individuais de superação, qualificação e avanços.

Esse é o caso da empresária Zeli D'Ambros, de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul. Filha mais nova de uma família de agricultores de nove irmãos, saiu do interior do Estado com 13 anos para trabalhar e estudar em Caxias, segunda maior cidade do Estado. Entrou no mundo do trabalho cuidando de crianças e estudando para concluir o segundo grau. Depois, trabalhou em uma malharia, onde passou por diversas funções até ser contratada por uma empresa de logística, na qual chegou ao cargo de gerente, mas não conseguia ser promovida.

"Não importava o que eu fizesse, houve três oportunidades de promoção, e sempre traziam um homem para a vaga de direção", lembra Zeli, acrescentando: "nas empresas que visito, vejo muitas mulheres gerentes, mas poucas diretoras. Hoje 51% das micro e pequenas empresas de Caxias são lideradas por mulheres. Fico pensando se não é porque as mulheres não são reconhecidas para cargos de direção e acabam saindo para se tornarem donas da própria empresa", conta Zeli.

A persistência, aliada a estudos e disposição para encarar cursos noturnos de graduação e pós-graduação levaram Zeli a se tornar dona de uma das subsidiárias da empresa de logística e, posteriormente, a abrir o próprio negócio. "Existe uma barreira, e parece que a mulher tem de estar o tempo todo provando sua capacidade e se fazer reconhecida. Mas eu acho que a competência não está em uma calça ou uma saia. A competência está em se qualificar e ver que, independentemente de gênero, as capacidades são iguais", pondera a empresária.

Hoje a empresa de Zeli gera trinta e cinco empregos diretos e indiretos, e muitos dos empregados são homens.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Trabalho e Previdência Social

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

TáxiGov possibilitará redução de gastos públicos com transporte ao governo
O sistema está em fase de teste pelo Ministério do Planejamento. Com a iniciativa, o órgão gradualmente deixará de usar a frota própria e estima reduzir suas despesas em 60%, o que soma uma economia de R$ 20 milhões ao ano
Governo trabalha para equiparar regras para a previdência social
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, conversou com jornalistas após participar da Comissão Especial da Câmara dos Deputados
Exportações brasileiras crescem mais de 7%
Para o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a taxa de câmbio mais estável e programas de incentivos à exportação impulsionaram as empresas brasileiras a se lançarem no mercado internacional
O sistema está em fase de teste pelo Ministério do Planejamento. Com a iniciativa, o órgão gradualmente deixará de usar a frota própria e estima reduzir suas despesas em 60%, o que soma uma economia de R$ 20 milhões ao ano
TáxiGov possibilitará redução de gastos públicos com transporte ao governo
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, conversou com jornalistas após participar da Comissão Especial da Câmara dos Deputados
Governo trabalha para equiparar regras para a previdência social
Para o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a taxa de câmbio mais estável e programas de incentivos à exportação impulsionaram as empresas brasileiras a se lançarem no mercado internacional
Exportações brasileiras crescem mais de 7%

Últimas imagens

Cerca de 1,4 milhão de trabalhadores foram atendidos desde a divulgação do calendário de pagamento
Cerca de 1,4 milhão de trabalhadores foram atendidos desde a divulgação do calendário de pagamento
Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
No estado, propostas das agricultoras direcionaram-se, em sua maioria, à expansão da pecuária leiteira
No estado, propostas das agricultoras direcionaram-se, em sua maioria, à expansão da pecuária leiteira
Divulgação/Incra
Em novembro do ano passado, foram R$ 150 milhões
Em novembro do ano passado, foram R$ 150 milhões
Arquivo/Agência Brasil
Créditos estarão disponíveis a partir do dia 10 de março e serão pagos até 31 de julho de 2017
Créditos estarão disponíveis a partir do dia 10 de março e serão pagos até 31 de julho de 2017
Divulgação/EBC

Governo digital