Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 03 > Produção industrial inicia 2016 com crescimento

Economia e Emprego

Produção industrial inicia 2016 com crescimento

Pesquisa

Segundo o IBGE, em janeiro de 2016, o setor industrial "volta a mostrar um quadro de maior ritmo produtivo”
por Portal Brasil publicado: 04/03/2016 17h30 última modificação: 04/03/2016 17h46
Foto: Arquivo/Agência Brasil IBGE diz que o setor industrial, em janeiro, volta a mostrar um quadro de maior ritmo produtivo

IBGE diz que o setor industrial, em janeiro, volta a mostrar um quadro de maior ritmo produtivo

A produção industrial brasileira cresceu 0,4% em janeiro em relação a dezembro de 2015, na série livre de influenciais sazonais, interrompendo um período de sete meses de quedas consecutivas, quando acumulou perdas de 8,7%. Os dados fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física Brasil (PIM-PF), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (4).

Segundo o IBGE, o setor industrial, em janeiro de 2016, "volta a mostrar um quadro de maior ritmo produtivo, expresso não só no avanço de 0,4% na comparação com o mês imediatamente anterior, que interrompeu sete meses consecutivos de queda, mas também no predomínio de taxas positivas entre as grandes categorias econômicas e as atividades investigadas”.

Média global

O crescimento de 0,4% na atividade industrial reflete resultados positivos em três das quatro grandes categorias econômicas e em 15 dos 24 ramos pesquisados. Entre os setores, a principal influência positiva foi registrada por coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com avanço de 2,8%, segunda taxa positiva consecutiva, acumulando expansão de 6,6%.

Já entre as grandes categorias econômicas, ainda na comparação com o mês imediatamente anterior, bens de capital, ao avançar 1,3%, e bens intermediários (0,8%) mostraram as expansões mais acentuadas em janeiro de 2016.

O setor produtor de bens de consumo semi e não duráveis fechou janeiro de 2016 com crescimento de 0,3%, a terceira expansão consecutiva, com ganho acumulado de 0,8%. Já o segmento de bens de consumo duráveis (-2,4%) teve o único resultado negativo em janeiro, após avançar 8% em dezembro, quando interrompeu quatro meses consecutivos de redução na produção.

Ainda segundo a pesquisa do IBGE, os segmentos de bens de consumo duráveis (0,7%) e de bens de consumo semi e não duráveis (0,2%) assinalaram taxas positivas em janeiro, com o primeiro interrompendo 13 meses consecutivos de queda, e o segundo voltando a crescer, após comportamento negativo desde julho de 2015.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Para presidente do banco de fomento, economia brasileira dá sinais de que está se recuperando
Para presidente do banco de fomento, economia brasileira dá sinais de que está se recuperando
Tomaz Silva/Agência Brasil
Na terceira semana de abril, exportações superaram as importações no Brasil
Na terceira semana de abril, exportações superaram as importações no Brasil
Arquivo EBC
Grãos de arroz, café, milho, feijão, trigo, farinha e fécula de serão fiscalizados em 44 armazéns do país
Grãos de arroz, café, milho, feijão, trigo, farinha e fécula de serão fiscalizados em 44 armazéns do país
Arquivo/Agência Brasil
Declaração é obrigatória para quem recebeu mais de R$ 28.559,70 no ano passado
Declaração é obrigatória para quem recebeu mais de R$ 28.559,70 no ano passado
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segundo Boletim Focus, economistas do mercado financeiro esperam inflação menor em 2017 e 2018
Segundo Boletim Focus, economistas do mercado financeiro esperam inflação menor em 2017 e 2018
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Governo digital