Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 08 > Teto para gastos não prejudica a saúde e a educação, diz Meirelles

Economia e Emprego

Teto para gastos não prejudica a saúde e a educação, diz Meirelles

Orçamento Federal

Ministro da Fazenda diz que, se a proposta já estivesse aprovada, recursos para as duas áreas, neste ano, seriam maiores do que os que foram fixados
por Portal Brasil publicado: 24/08/2016 14h23 última modificação: 24/08/2016 17h33

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que a medida que propõe um teto para os gastos públicos não vai prejudicar a saúde e a educação. Durante audiência na Câmara dos Deputados, ele explicou que a proposta, para esses dois casos, é que o valor mínimo que deve ser gasto seja corrigido pela inflação.

Ele observou, inclusive, que a regra atual nem sempre gera um orçamento mais alto para as duas áreas. Meirelles ainda argumentou que este ano, se a proposta já estivesse aprovada, os recursos para a saúde e para a educação seriam maiores do que os que foram fixados.

Meirelles foi à Câmara para defender a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que fixa um teto para a expansão dos gastos públicos. De acordo com o texto da medida, as despesas poderão crescer apenas o equivalente à inflação do ano anterior.

Com isso, o governo impede o avanço descontrolado dos gastos públicos, inverte a trajetória de expansão da dívida púbica, devolve a credibilidade e a confiança à economia brasileira e recoloca o Brasil nos trilhos do crescimento.

A questão do piso para a saúde e para a educação está dentro dessa PEC. “Em momento de crise, a correção pela inflação protege o investimento em saúde e educação”, observou o ministro. “Em momento de forte expansão da economia, preserva as despesas”, afirmou.

“Portanto, não se propõe um corte abrupto, mas manutenção do valor real”, frisou Meirelles. Ainda segundo ele, a crise brasileira passa pela questão fiscal. “É importante enfrentar esse problema, limitando o crescimento dessas despesas a longo prazo”, argumentou.

Aprovar a PEC, segundo ele, levará ao aumento da confiança, do consumo, do emprego e ainda pode levar ao aumento do padrão de vida dos brasileiros. Ele ainda defendeu que o aumento dos gastos do governo não está necessariamente ligado ao crescimento econômico.

Segundo Meirelles, países de renda média com dívida pública acima de 60% do PIB, assim como o Brasil, não podem usar aumento dos gastos públicos para estimular o PIB. “Com a dívida acima desse nível, só há aumento da desconfiança”, ponderou.

“Portanto, é importante mencionar que em governos que têm dívidas baixas, o gasto público leva ao aumento do crescimento”, argumentou. Com a aprovação da PEC do teto dos gastos, o Brasil poderá reduzir sua dívida pública e estimular o crescimento do País.

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Programa vai promover exportação de indústrias brasileiras
Indústrias de 18 estados interessadas em atuar no comércio exterior têm até 15 de setembro para se inscreverem no programa Rota Global. A iniciativa oferece consultoria gratuita para empresas de todos os portes e setores industriais se consolidarem ou começarem a operação no mercado internacional
Indústrias de 18 estados interessadas em atuar no comércio exterior têm até 15 de setembro para se inscreverem no programa Rota Global. A iniciativa oferece consultoria gratuita para empresas de todos os portes e setores industriais se consolidarem ou começarem a operação no mercado internacional
Programa vai promover exportação de indústrias brasileiras

Últimas imagens

Campanha também abre vagas no curso oferecido pelo programa
Campanha também abre vagas no curso oferecido pelo programa
Marcello Casal Jr/Agencia Brasil
Houve crescimento de 21,1% nas exportações em comparação a setembro de 2016
Houve crescimento de 21,1% nas exportações em comparação a setembro de 2016
Arquivo/Agência Brasil
Bolsa de Valores vem quebrando recordes diante de otimismo com economia
Bolsa de Valores vem quebrando recordes diante de otimismo com economia
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Dados reforçam trajetória de recuperação da economia
Dados reforçam trajetória de recuperação da economia
Marcos Santos/USP Imagens
Na avaliação de economistas, inflação será menor neste e no próximo ano
Na avaliação de economistas, inflação será menor neste e no próximo ano
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Governo digital