Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2016 > 09 > Já há projeções de melhora da inflação, afirma ministro

Economia e Emprego

Já há projeções de melhora da inflação, afirma ministro

Planejamento

Segundo Dyogo Oliveira, já é possível observar indicadores que apontam para a recuperação do valor de mercado das empresas brasileiras e queda do risco-Brasil
por Portal Brasil publicado: 16/09/2016 15h17 última modificação: 16/09/2016 15h39
Marcos Santos/USP Imagens O ministro defende que o novo regime fiscal, previsto na PEC 241, é fundamental para conter as despesas

O ministro defende que o novo regime fiscal, previsto na PEC 241, é fundamental para conter as despesas

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP), Dyogo Oliveira, destacou que já há marcos positivos na economia brasileira, como projeções de melhora na expectativa de trajetória da inflação, de recuperação do PIB e dos índices de confiança de consumidores e empresários.

A declaração foi feita em reunião do Conselho Superior de Economia da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na quinta-feira (15). Ele afirmou ainda que já se pode observar indicadores que apontam para a recuperação do valor de mercado das empresas brasileiras e queda do risco-Brasil.

Ainda assim, o ministro considerou que o cenário exige medidas enérgicas para possibilitar a retomada do crescimento da economia e reverter o déficit fiscal. Segundo Oliveira, para recuperar a estabilidade fiscal é necessário controlar a expansão dos gastos públicos. Ele considerou que hoje 90% da despesa pública é de natureza obrigatória e o restante, discricionária, o que aponta para necessidade de revisar, especialmente, os gastos previdenciários.

"O déficit do Regime Geral da Previdência Social passou de R$ 56,7 bilhões [2014] para R$ 181,2 bilhões [projeção para 2017] em apenas três exercícios. Esse deve ser um dos principais focos para reequilibrar as contas públicas”, disse o ministro ao pedir apoio do setor produtivo nacional para a reforma da Previdência que o governo irá encaminhar ao Congresso Nacional.

“Se nada for feito, a despesa da Previdência pode saltar dos atuais 8% do PIB para 17% em 2060. E isso levando-se em conta um crescimento de 2,5% do PIB”, projetou.

Novo regime

Diante desse contexto, Dyogo explicou que o novo regime fiscal, previsto na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, é fundamental para conter as despesas.

O novo regime prevê que o total das despesas do governo federal tenha seu crescimento limitado pela inflação durante os próximos dez anos. Após esse período, a regra poderá ser alterada para os dez anos seguintes.

Segundo o ministro, o novo regime reduzirá a pressão para o aumento da carga tributária e permitirá a geração de superávits necessários para a estabilidade macroeconômica. Com a regra, ainda ficará mitigado o efeito cíclico das despesas, reduzindo o endividamento público e aumentando a confiança dos investidores.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MP)

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Petrobras vai propor abertura de capital da BR Distribuidora
Empresa vai levar proposta ao conselho de administração; anúncio foi feito pelo presidente da companhia, Pedro Parente
Empresa vai levar proposta ao conselho de administração; anúncio foi feito pelo presidente da companhia, Pedro Parente
Petrobras vai propor abertura de capital da BR Distribuidora

Últimas imagens

No mês, faturamento líquido do setor somou R$ 6 bilhões
No mês, faturamento líquido do setor somou R$ 6 bilhões
Arquivo EBC
Unidade conta com laboratório para analisar mercadorias embaladas na ausência do consumidor
Unidade conta com laboratório para analisar mercadorias embaladas na ausência do consumidor
Divulgação/Mdic
Quando passar a operar em todos os modais, programa deve trazer incremento de US$ 23,8 bilhões ao PIB
Quando passar a operar em todos os modais, programa deve trazer incremento de US$ 23,8 bilhões ao PIB
Arquivo/Agência Brasil
Ganhos chegaram a R$ 2,16 trilhões
Ganhos chegaram a R$ 2,16 trilhões
Arquivo/Agência Brasil

Governo digital