Economia e Emprego

Negócios

Confiança da indústria na economia atinge maior nível desde 2014

Índice subiu 4,3 pontos em janeiro na comparação a dezembro e chegou a 89 pontos. Alta foi observada em 15 segmentos industriais
publicado: 31/01/2017 15h26, última modificação: 23/12/2017 10h49
Confiança da indústria cresce e atinge maior nível desde 2014

Aumento da confiança foi observada em 15 de 19 segmentos industriais - Foto: Arquivo/Agência Brasil

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 4,3 pontos em janeiro na comparação com dezembro, chegando a 89 pontos. Esse é o maior nível desde maio de 2014, quando registrou 92,2 pontos. A alta da confiança foi observada em 15 de 19 segmentos industriais.

O Índice de Expectativas (IE) avançou 4,7 pontos, atingindo 91 pontos. A maior contribuição partiu do indicador que mede as perspectivas para o pessoal ocupado nos três meses seguintes, que chegou a 89,2 pontos, após crescimento de 7,4 pontos. Esse é o indicador que mede aquelas pessoas que estarão trabalhando ou tinham emprego mas estarão de férias ou licença.

Houve elevação do percentual de empresas que projetam aumento do total de pessoal ocupado, de 11,1% para 14,1% do total, e redução das parcela das que preveem diminuição do quadro de pessoal, de 21,7% para 16,7%.

Para o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV, Aloisio Campelo Júnior, o setor está reagindo a uma combinação de aceleração da produção no final do ano e do ritmo de queda dos juros a partir de janeiro.

Negócios

O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 3,8 pontos, fechando em 87. O indicador que mede a satisfação com a situação atual dos negócios exerceu a maior influência nesse aumento. Após três quedas sucessivas, o indicador ficou em 82,9 pontos em janeiro, crescimento de 5,2 .

O percentual de empresas que consideram a situação dos negócios boa aumentou de 10,7% para 16,7% do total; o das que a consideram fraca diminuiu, de 46,7% para 43,5%.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada atingiu 74,6% em janeiro, 1,7 ponto percentual acima do mês passado, quando havia sido registrado o patamar mínimo histórico para a série iniciada em 2001.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems