Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 01 > Entenda como ficam as novas regras do cartão de crédito

Economia e Emprego

Entenda como ficam as novas regras do cartão de crédito

Juros mais baixos

Governo muda regras para reduzir juros para os clientes que precisam entrar no rotativo do cartão, chamado de pagamento mínimo
por Portal Brasil publicado: 27/01/2017 16h48 última modificação: 30/01/2017 09h20
Cecília Bastos/USP Imagens Expectativa do governo é reduzir juros cobrados no cartão pela metade

Expectativa do governo é reduzir juros cobrados no cartão pela metade

A partir do dia 3 de abril, o cartão de crédito passa a ter novas regras para reduzir a inadimplência e evitar o superendividamento. Na prática, o consumidor não vai mais ficar preso ao rotativo do cartão, popularmente conhecido como pagamento mínimo da fatura.

Sempre que o consumidor entrar no crédito rotativo, depois de 30 dias o banco terá de oferecer ao cliente um parcelamento do saldo devedor. O consumidor também fica com a opção de, depois desse prazo, fazer o pagamento à vista. Caso ele não escolha nenhuma das duas alternativas, ficará inadimplente.

O banco fica obrigado a operar por essas novas regras a partir de abril, mas desde a última quinta-feira (27) ele já pode oferecer esse serviço ao cliente. A expectativa do governo é de que as taxas de juros caiam pela metade e o cliente fique por menos tempo no rotativo do cartão.

Antes dessas novas regras, se o cliente fizesse uma fatura de R$ 1 mil, mas tivesse apenas R$ 150 para pagar, a dívida poderia se tornar impagável. No primeiro mês, o saldo devedor saltaria de R$ 850,00 para R$ 948,72. No fim do sexto mês estaria em R$ 1.708,90.

Cartão de crédito bola de neve

A dívida, se não quitada integralmente, sobe muito rápido em função dos juros. O cartão de crédito é uma das modalidades com as taxas mais elevadas do mercado brasileiro. Em dezembro do ano passado, segundo o Banco Central, ela chegou a 484,6% ao ano – o equivalente a 15,85% ao mês.

Com taxas tão elevadas, se tornou comum clientes ficarem inadimplentes. A conta começava relativamente pequena e, depois de alguns meses, era quase impossível de ser paga. O consumidor precisa negociar com o banco para obter um desconto e para conseguir um refinanciamento.

Parcelamento do cartão de crédito

Agora, se o cliente fizer uma fatura de R$ 1 mil, mas pagar apenas R$ 150, ele entra no rotativo apenas por um mês. Ou seja, depois de 30 dias, a conta dele sobe de R$ 850,00 para R$ 948,72.

No entanto, o banco terá de contatar o consumidor e perguntar se ele quer parcelar ou pagar à vista. Se não fizer nenhuma dessas escolhas, se tornará inadimplente e pagará uma taxa elevada de juros.

Infográfico crédito rotativo

Fonte: Portal Brasil, com informações do Banco Central

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Para presidente do banco de fomento, economia brasileira dá sinais de que está se recuperando
Para presidente do banco de fomento, economia brasileira dá sinais de que está se recuperando
Tomaz Silva/Agência Brasil
Na terceira semana de abril, exportações superaram as importações no Brasil
Na terceira semana de abril, exportações superaram as importações no Brasil
Arquivo EBC
Grãos de arroz, café, milho, feijão, trigo, farinha e fécula de serão fiscalizados em 44 armazéns do país
Grãos de arroz, café, milho, feijão, trigo, farinha e fécula de serão fiscalizados em 44 armazéns do país
Arquivo/Agência Brasil
Declaração é obrigatória para quem recebeu mais de R$ 28.559,70 no ano passado
Declaração é obrigatória para quem recebeu mais de R$ 28.559,70 no ano passado
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Segundo Boletim Focus, economistas do mercado financeiro esperam inflação menor em 2017 e 2018
Segundo Boletim Focus, economistas do mercado financeiro esperam inflação menor em 2017 e 2018
Tânia Rêgo/Agência Brasil

Governo digital