Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 01 > Redução dos juros coincide com menor inflação em três anos

Economia e Emprego

Redução dos juros coincide com menor inflação em três anos

Recuperação da economia

Corte em 0,75 ponto percentual ocorre no momento em que os preços ao consumidor começam a perder força
por Portal Brasil publicado: 11/01/2017 19h14 última modificação: 12/01/2017 17h35
Foto: Valdenio Vieira/PR Ministro do Planejamento acredita em cenário mais atraente para investimentos

Ministro do Planejamento acredita em cenário mais atraente para investimentos

A queda mais forte dos juros pelo Banco Central coincide com uma forte desaceleração do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou 2016 em 6,29%  o menor patamar em três anos. O resultado decorre de uma sequência de quedas da inflação oficial, que em dezembro avançou 0,30%, resultado mais baixo para meses de dezembro desde 2008.

A expectativa do BC é de que o custo de vida continue a desacelerar nos próximos meses. Ao fim de 2017, o IPCA pode recuar para 4%, percentual que, se confirmado, fará com que o Brasil, pela primeira vez desde 2009, termine o ano com a inflação abaixo do centro da meta, de 4,5%.

No comunicado emitido após confirmar a redução da Selic em 0,75 ponto percentual, o Comitê de Política Monetária (Copom) mencionou o cenário para a inflação “mais favorável que o esperado”. A esse aspecto, os diretores do Banco Central mencionam a forte desaceleração dos preços, situação em que o comportamento dos preços muda rapidamente de uma forte alta para uma leve elevação. Isso ocorreu, por exemplo, na passagem de 2015 para 2016, quando o IPCA saiu de 10,67% para 6,29%  uma diferença de 4,38 pontos percentuais em apenas 12 meses – praticamente toda a meta de inflação estipulada para o ano, em 4,5%.

“Há evidências de que o processo de desinflação mais difundida tenha atingido também componentes mais sensíveis à política monetária e ao ciclo econômico”, reforça a nota, mencionando que essa diferença grande de preços, a maior já registrada em uma década, já começou a surtir efeito na própria economia, com reflexos também para a política de juros.

Investimentos

A desaceleração da inflação combinada à redução dos juros deverá fazer com que o cenário para investimentos produtivos se torne mais atraente, conforme acredita o ministro interino do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira. Ao Portal Planalto, ele mencionou que esse cenário de forte desaceleração do IPCA permitirá ao País buscar um cenário de mais estabilidade nos próximos anos. “Isso, de fato, se reflete também nas decisões de investimento, porque permite uma programação dos agentes a respeito do futuro”, disse.

O ministro também reforçou que um percentual elevado de inflação, como o registrado em 2015, quando o IPCA avançou 10,67% “prejudica muito” a capacidade de planejamento dos investidores. “E, por outro lado, um nível mais baixo de inflação vai permitir, ao longo dos próximos meses, uma política monetária mais compatível”, analisou.

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Segmento de transportes contribui para crescimento do setor de serviços
Setor de serviços cresceu 1% entre os meses de março e abril
Setor de serviços cresceu 1% entre os meses de março e abril
Segmento de transportes contribui para crescimento do setor de serviços

Últimas imagens

A perspectiva para os próximos meses é de que a demanda doméstica do setor de turismo continue crescendo
A perspectiva para os próximos meses é de que a demanda doméstica do setor de turismo continue crescendo
Arquivo EBC
Ministro José Múcio Monteiro afirmou que quadro é preocupante
Ministro José Múcio Monteiro afirmou que quadro é preocupante
José Cruz/Agência Brasil
Projeção do BC para a inflação de 2017 melhorou de 4% para 3,8%
Projeção do BC para a inflação de 2017 melhorou de 4% para 3,8%
Beto Nociti/BCB
Expectativa é retirar a vacina entre 2019 e 2023, quando o Brasil deverá ser reconhecido como livre da doença
Expectativa é retirar a vacina entre 2019 e 2023, quando o Brasil deverá ser reconhecido como livre da doença
Arquivo/Agência Brasil
Ministro e representantes de sindicatos em reunião nessa quarta-feira (21)
Ministro e representantes de sindicatos em reunião nessa quarta-feira (21)
Foto: Edu Andrade/Ministério do Trabalho

Governo digital