Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 03 > Indústria e agropecuária lideram crescimento em 2017

Economia e Emprego

Indústria e agropecuária lideram crescimento em 2017

Retomada do crescimento

Dados do setor privado sinalizam crescimento disseminado entre os vários segmentos da economia
por Portal Brasil publicado: 13/03/2017 14h07 última modificação: 13/03/2017 14h23
Ministério da Agricultura Supersafra, de 222,9 milhões de toneladas, ajudará a criar mais empregos em 2017

Supersafra, de 222,9 milhões de toneladas, ajudará a criar mais empregos em 2017

Depois da recessão do ano passado, as perspectivas para 2017 mostram uma virada no cenário. Dois setores vão liderar a recuperação da economia: agropecuária e indústria. Puxado por uma supersafra, exportações em alta e pela volta do consumo, as previsões para o ano mostram que o Brasil superou a crise.

Os dados, que revelam um quadro favorável para o Brasil neste e nos próximos anos, são do setor privado e foram reunidos pelo Banco Central. Eles fazem parte do Boletim Focus, divulgado toda segunda-feira.

De acordo com a pesquisa, o PIB agropecuário, que caiu 6,6% no ano passado, vai crescer 4,32% neste ano. A indústria, que caiu 3,8%, vai avançar 3%. O setor de serviços, que registrou queda de 2,7%, também voltará a crescer em 2017 e deve avançar 0,02%.

Diante desse quadro, a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2017 é de retomada do crescimento. As previsões de especialistas econômicos é de que o País cresça 0,48% neste ano. Na prática, esses números positivos significam mais emprego, renda e investimentos.

Safra e emprego na indústria

No campo, a expectativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é de uma safra de grãos recorde, com 222,9 milhões de toneladas – um aumento de 19,5% frente da safra anterior. Com esse volume, será preciso mais trabalhadores e as vendas internas e externas também devem aumentar.

Na indústria, a expectativa de melhora do consumo já levou a aumento das contratações nas fábricas. Em janeiro, de dez ramos industriais, 12 criaram novos postos de trabalho – foram 17,5 mil vagas a mais em um dos setores que mais sofreu com a crise que durou até o ano passado.

Fontes: Portal Brasil, com informações do Banco Central, do IBGE, da Conab e do Ministério do Trabalho

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Brasil registra criação de 34,4 mil vagas formais de emprego em setembro
Pelo sexto mês seguido, mercado formal registrou novas contratações. Setores da transformação, comércio e serviços foram os principais responsáveis pela abertura dos postos
Pelo sexto mês seguido, mercado formal registrou novas contratações. Setores da transformação, comércio e serviços foram os principais responsáveis pela abertura dos postos
Brasil registra criação de 34,4 mil vagas formais de emprego em setembro

Últimas imagens

Empresário estão confiantes tanto com a atual situação dos negócios, quanto com as expectativas para os próximos meses
Empresário estão confiantes tanto com a atual situação dos negócios, quanto com as expectativas para os próximos meses
Divulgação/Governo de Sergipe
Saldo comercial brasileiro vem registando recordes ao longo deste ano
Saldo comercial brasileiro vem registando recordes ao longo deste ano
Arquivo EBC
Recursos são referentes ao ano de 2015 e podem ser retirados até 28 de dezembro
Recursos são referentes ao ano de 2015 e podem ser retirados até 28 de dezembro
Marcos Santos/USP Imagens
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Ministério da Fazenda
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Com País de volta aos trilhos do crescimento, famílias voltam a consumir e influenciar positivamente arrecadação de impostos
Gustavo Raniere/Min. Fazenda

Governo digital