Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 04 > Novo texto da reforma traz mudanças nas regras de acesso à aposentadoria

Economia e Emprego

Novo texto da reforma traz mudanças nas regras de acesso à aposentadoria

Reforma da Previdência

Proposta recebe texto substitutivo com regras que facilitam o acesso ao benefício da aposentadoria
por Portal Brasil publicado: 19/04/2017 15h33 última modificação: 19/04/2017 21h46
Valter Campanato/Agência Brasil Texto está sob análise dos parlamentares e ainda precisa ser aprovado pela Câmara e pelo Senado

Texto está sob análise dos parlamentares e ainda precisa ser aprovado pela Câmara e pelo Senado

Para acabar com privilégios e proteger direitos adquiridos, um texto substitutivo foi apresentado à comissão da Previdência nesta quarta-feira (19). As regras para obter a aposentadoria, caso essa proposta seja aprovada pelo Congresso Nacional, tornaram-se mais acessíveis.

A proposta anterior previa que para ter acesso ao benefício, o trabalhador teria de alcançar 65 anos de idade e 25 de contribuição. Agora, a idade de acesso fica diferente para as mulheres, que poderão obter a aposentadoria a partir dos 62 anos. Para os homens, continua a regra dos 65 anos.

O cálculo para saber o valor do benefício também mudou. Antes, o rendimento final era formado por dois fatores: o equivalente a 51% do salário de contribuição mais 1 ponto percentual para cada ano de contribuição.

Ou seja, pela proposta anterior, quem chegasse a 65 anos de idade e 25 anos de contribuição teria um rendimento equivalente a 76% do salário de contribuição. Agora, isso mudou. A fórmula passa a ser 70% da média dos salários mais 1,5 ponto percentual para cada ano que superar os 25 de contribuição.

Esse prêmio por permanência no mercado de trabalho aumenta com o tempo. Para os que superarem os 30 anos de contribuição, haverá um acréscimo de 2 pontos percentuais a cada ano extra; para os que superarem 35 anos, o incremento será de 2,5 ponto percentual.

Regras de transição

O novo texto também traz mudanças nas regras de transição. Antes, mulheres a partir de 45 anos e homens a partir de 50 se aposentariam por normas diferentes, mais brandas. Agora, para entrar nessa regra de transição, não há mais limite de idade. Qualquer trabalhador pode entrar nela.

Essa regra de transição, tanto no texto original quanto no substitutivo, prevê uma espécie de pedágio. Na primeira proposta, era de 50%, ou seja, se faltava um ano, seria preciso trabalhar 1 ano e meio para se aposentar. Agora, esse pedágio é de 30%. Isso significa que para quem está na regra de transição, se faltar um ano para a aposentadoria, a pessoa terá de ficar no mercado por pouco mais de 1 ano e três meses.

Fonte: Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
A leitura do relatório da comissão, que analisa a reforma da previdência, começou na manhã desta quarta-feira (19) na Câmara dos Deputados
Proposta de reforma da Previdência é apresentada na Câmara dos Deputados

Últimas imagens

Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Próximo passo é submeter o reconhecimento à Organização Mundial de Saúde Animal, para liberar vendas ao mercado externo
Arquivo/Agência Brasil
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
O fundo de crédito estruturado para MPMEs inovadoras é um projeto piloto da BNDESPAR
Arquivo/Agência Brasil
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Principais medidas do texto foram mantidas, como regulamentação do trabalho intermitente
Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Para ministro, se reforma da Previdência for adiada será necessário tomar medidas mais duras no futuro
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Governo digital