Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 07 > Brasil cria quase 10 mil vagas de empregos formais em junho

Economia e Emprego

Brasil cria quase 10 mil vagas de empregos formais em junho

CLT

Pelo terceiro mês consecutivo, País registra saldo positivo na geração de postos de trabalho
por Portal Brasil publicado: 17/07/2017 16h29 última modificação: 18/07/2017 20h15
Arquivo EBC No mês, o setor da agropecuária foi o grande responsável pelo desempenho do indicador

No mês, o setor da agropecuária foi o grande responsável pelo desempenho do indicador

No mês de junho, o Brasil registrou a criação de 9,8 mil novos empregos no mercado formal de trabalho. Esse é o terceiro mês consecutivo em que há saldo positivo de postos de trabalho. Com esse resultado, o País registrou a abertura de 67,3 mil vagas formais de emprego no primeiro semestre de 2017.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados nesta segunda-feira (17), pelo Ministério do Trabalho.

No mês, o resultado marca a primeira criação de empregos para meses de junho desde 2014, quando foram abertas 25,3 mil vagas. Ao mesmo tempo, é a primeira vez que há registro de abertura de vagas de janeiro a junho em dois anos.

Destaques

O grande responsável pelo desempenho no mês foi o setor da Agropecuária, que contou com a abertura de 36,8 mil postos de trabalho no setor. Isso representa um crescimento de 2,29% em relação ao mês anterior.

O Sudeste foi a região que mais gerou empregos, com a criação de 9,2 mil postos de trabalho formal. Em seguida ficou o Centro-Oeste, que contou com a abertura de 8,3 mil empregos formais.

Os estados que mais se destacaram no mês foram Minas Gerais (15,4 mil postos) e Mato Grosso (5,7 mil novas vagas). 

Sinal de força

Para o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, o desempenho aponta que as medidas econômicas adotadas pelo governo federal deram resultado e sinalizam que o País superou a recessão.

"É sinal que as medidas tomadas pelo governo foram medidas que trouxeram resultados e, principalmente, confiança no mercado, que volta a contratar", considerou o ministro. "Essa é a sinalização principal de que o Brasil saiu da recessão e volta a crescer e gerar empregos", completou.

Para o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, o terceiro mês consecutivo com saldo positivo, aliado a um primeiro semestre com mais de 67 mil vagas novas, mostra que o Brasil está voltando a gerar reda e riqueza. "O governo do presidente Michel Temer está conseguindo fazer o Brasil retomar o crescimento de empregos", afirmou.

Brasil cria quase 10 mil vagas de empregos formais em junho

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Trabalho

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

Assunto(s): Economia

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Começa pagamento do abono salarial para nascidos em agosto
Quem ganhou até dois salários mínimos e trabalhou pelo menos 30 dias com carteira assinada em 2016 tem direito ao abono salarial. Para sacar o benefício é preciso estar cadastrado no PIS ou no Pasep há pelo menos 5 anos
Quem ganhou até dois salários mínimos e trabalhou pelo menos 30 dias com carteira assinada em 2016 tem direito ao abono salarial. Para sacar o benefício é preciso estar cadastrado no PIS ou no Pasep há pelo menos 5 anos
Começa pagamento do abono salarial para nascidos em agosto

Últimas imagens

Ao todo, R$ 2,92 bilhões foram pagos em indenizações aos agricultores
Ao todo, R$ 2,92 bilhões foram pagos em indenizações aos agricultores
Arquivo/Agência Brasil
Aeroporto de Congonhas está entre as unidades previstas no PPI
Aeroporto de Congonhas está entre as unidades previstas no PPI
Rovena Rosa/Agência Brasil
Setor que mais recebeu dólares em julho foi a indústria
Setor que mais recebeu dólares em julho foi a indústria
Marcos Santos/USP Imagens
Mais de 7,8 milhões de cotistas devem ser beneficiados
Mais de 7,8 milhões de cotistas devem ser beneficiados
Arquivo/Agência Brasil
Aprendizagem prevê contratação de jovens entre 14 e 24 anos, desde que permaneçam na escola
Aprendizagem prevê contratação de jovens entre 14 e 24 anos, desde que permaneçam na escola
Divulgação/Prefeitura de Franca (SP)

Governo digital