Você está aqui: Página Inicial > Economia e Emprego > 2017 > 08 > Saque das contas inativas do FGTS terá impacto de 0,61 ponto percentual no PIB de 2017

Economia e Emprego

Saque das contas inativas do FGTS terá impacto de 0,61 ponto percentual no PIB de 2017

Crescimento

Recursos liberados ajudaram a reduzir a inadimplência, o endividamento e aumentou a confiança do consumidor e do comércio
publicado: 09/08/2017 17h26 última modificação: 11/10/2017 10h52

O Ministério do Planejamento informou, nesta quarta-feira (9), que a liberação das contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) trará um impacto positivo sobre o Produto Interno Bruto (PIB), que pode alcançar 0,61 ponto percentual

O pagamento das contas foi encerrado em 31 de julho deste ano. A determinação do governo liberou R$ 44 bilhões na economia e beneficiou 26 milhões de trabalhadores“O importante é que essa medida beneficiou milhões de trabalhadores, permitindo-os acessar um recurso que, na verdade, é dele e usar livremente conforme sua decisão”, disse o secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos do ministério do Planejamento, Marcos Ferrari.

Estudo realizado pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, que estima o impacto na economia dos recursos liberados pelo FGTS, observou que no período houve redução da inadimplência, diminuição do endividamento e do comprometimento de renda, além de aumento da confiança do consumidor e do comércio.

A liberação dos saques das contas inativas fez parte de um conjunto de ações promovidas para alavancar a economia do País. Essa, em especial, afetou diretamente a vida do trabalhador brasileiro, permitindo que aqueles que tivessem contas inativas até 31 de dezembro de 2015 pudessem sacar seus saldos – sem a exigência de aguardar três anos fora do mercado de trabalho formal.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , ,
Assunto(s): Economia, Emprego, Trabalho