Cultura

Modernização

Cinemateca Brasileira inicia digitalização do acervo

Obras do acervo da Programadora Brasil serão digitalizadas e depois licenciadas para distribuição
publicado: 14/07/2014 11h33, última modificação: 22/12/2017 13h06

Seguindo uma tendência mundial, a Cinemateca Brasileira começou o processo de digitalização de parte do seu acervo e deve finalizá-lo até o final deste ano. As películas fazem parte da coleção da Programadora Brasil, um conjunto de 967 títulos, organizados em 295 programas, entre obras independentes brasileiras e as que foram contempladas com leis de incentivo público.

O acervo da Cinemateca, que se encontra em São Paulo, passará pelo mesmo processo, conforme se faça necessária a preservação de cada película. A Cinemateca tem um patrimônio de 200 mil rolos de filmes entre curtas, longas e cinejornais.

A equipe de preservação da Cinemateca é formada por sete pessoas. Quando uma obra está em processo de degradação, é feita a restauração e, posteriormente, a digitalização, para ficar acessível para o uso.

Fundada em 1940 por estudantes da USP, como Paulo Emílio Salles Gomes, Antonio Cândido e Décio de Almeida Prado, a Cinemateca possui um dos maiores acervos da América Latina.

Depois de digitalizadas, essas obras serão licenciadas para, então, serem distribuídas. Péder Moras, coordenador do laboratório de som e imagem da Cinemateca, explica que não há como ficar fora desse processo. "O mercado digital bate à nossa porta. Em pouco tempo, estaremos totalmente digitalizados. Cabe a nós preservarmos e cuidarmos desse material que estamos produzindo agora, em plataformas como smartphones e câmeras digitais, por exemplo" diz.

Essa mudança faz parte de um processo maior que começou com as salas de cinema, que passam a usar a plataforma digital. Para acompanhar essa mudança, terão que trocar todo o seu sistema de projeção, já que, a partir de julho, os grandes estúdios americanos não terão mais obrigação de distribuir películas.

O sistema escolhido pelo Brasil é o Virtual Print Fee (VPF), ou, numa tradução livre, taxa de cópia virtual. Nesse sistema, o custo da digitalização será pago ao longo dos anos, em parte pelos próprios exibidores, em parte pelas empresas distribuidoras. Os custos da distribuição digital, com o tempo, serão significativamente mais baratos que os da analógica.

Fonte:

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems