Notícias

Patrimônio Mundial

Candidatura de Paraty a Patrimônio Mundial será apresentada na Casa Iphan, durante a Flip

A Festa Literária Internacional de Paraty será realizada entre os dias 25 e 29 de julho
publicado: 19/07/2018 15h35, última modificação: 19/07/2018 15h35
Candidatura de Paraty a Patrimônio Mundial será apresentada na Casa Iphan, durante a Flip

O conteúdo com o dossiê embasando a candidatura será apresentado na Casa do Iphan, no Centro Histórico - Foto: Agência Brasil

A cidade de Paraty, no Rio de Janeiro, pode ser o primeiro sítio misto brasileiro a ser reconhecido como Patrimônio Mundial em 2019, por apresentar características culturais e naturais em um só espaço. Fruto de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a candidatura de Paraty - com os motivos para o título apresentados à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) - será apresentada ao público durante a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). O evento ocorrerá entre os dias 25 a 29 de julho.

A candidatura de Paraty faz um recorte de mais de 130 mil hectares, em que o centro histórico se cerca de quatro áreas de preservação ambiental: o Parque Nacional da Serra da Bocaina; o Parque Estadual da Ilha Grande; a Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul; e a Reserva Ecológica Estadual da Juatinga. As riquezas naturais e culturais fazem com que Paraty tenha um especial valor para a humanidade. 

Na Casa do Iphan, no Centro Histórico, o público pode conhecer os valores que fazem do território um lugar sem igual no mundo. Paraty fica numa das maiores baías do Brasil, a baía da Ilha Grande, que é dividida em baía de Parati e de Angra dos Reis. No Centro Histórico, local mais visitado, encontram-se ateliês de arte, lojas de artesanato e decoração, além de restaurantes e pousadas.

Leia também:

Escavação revela aspectos da história de Paraty (RJ)

Fonte: Governo do Brasil, com informações do Iphan

registrado em: Iphan, Patrimônio Mundial, Cultura