Ciência e Tecnologia

Software Livre

Formato aberto elimina obrigatoriedade de software específico

Padronização do formato utilizado para o armazenamento e troca de documentos é imprescindível
publicado: 26/08/2010 16h37, última modificação: 22/12/2017 12h40

Um dos elementos estruturais do software livre é o uso de padrões abertos. Nas últimas décadas, com a crescente utilização da informática, a grande maioria dos documentos (como atas, planilhas de controle financeiro, decretos e projetos de lei) passou a ser armazenada eletronicamente e a quantidade de documentos produzidos é duplicada a cada cinco anos, segundo especialistas. Neste cenário, a padronização do formato utilizado para o armazenamento e troca de documentos é imprescindível. 

Para permitir o acesso livre a arquivos sem a obrigatoriedade de um tipo específico de software, foi criado o formato aberto de documento, conhecido como Open Document Format (ODF). O padrão para armazenamento foi desenvolvido internacionalmente com a participação de diversas empresas de informática (como IBM, Sun Microsystems, Novell e Microsoft, entre outras), especialistas da comunidade acadêmica, governos e voluntários. 

O ODF é um padrão aberto que pode ser implementado em qualquer sistema. Atualmente existem diversos programas de computador, pagos ou gratuitos, que permitem a utilização de documentos ODF, suportados em diversos sistemas operacionais como o Windows, Linux e MacOS. Em 2006, o ODF, na sua versão 1.0, foi aprovado como norma internacional. Em 2008 foi adotado pela ABNT como uma norma brasileira. 

O governo brasileiro realiza ações para fortalecer o uso do padrão ODF. Com a criação do Protocolo Brasília, empresas públicas e privadas e órgãos da administração pública federal, estadual e municipal assumiram o compromisso de usar o formato padrão na troca de documentos. A versão mais recente do guia de interoperabilidade do Governo Federal (e-Ping), que responde pelo esforço de manter a compatibilidade de arquivos entre sistemas de governo, também define o ODF como padrão para todos os órgãos da administração pública.

Internacionalmente, o Brasil participa de um forte movimento de adoção do formato ODF e protesta contra a aprovação pela ISO (entidade que congrega os grêmios de padronização de 170 países) do OpenXML, um formato proprietário criado pela Microsoft que obriga o usuário a utilizar suítes de escritório específicas. Outros países como África do Sul, Venezuela, Equador, Cuba e Paraguai também participam do movimento. 

Fontes:
Portal do Software Livre
Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)