Saúde

Grandes eventos não impactam saúde das populações locais, diz OMS

publicado: 12/12/2011 17h06, última modificação: 23/12/2017 02h52

O grande número de turistas estrangeiros e a movimentação de viajantes nacionais, durante eventos como a Copa do Mundo não causam grande impacto na saúde das populações locais. A conclusão é da Organização Mundial da Saúde (OMS) durante a 5ª reunião da Câmara Temática de Saúde.

"O acompanhamento começou na Copa da França, com o uso de monitores que forneciam informações sobre as ocorrências, e não foi notado nenhum grande impacto na comunidade local", disse a representante da OMS, Roberta Andraghetti. A atenção sobre o tema evoluiu com a realização dos eventos mundiais. "Em 2002, na Coreia, um sistema de vigilância foi montado nos departamentos de saúde e emergências. No Japão, também sem grandes impactos, o sistema ganhou uma versão online para o compartilhamento de informações", lembra.

Na Alemanha, houve um reforço no número de relatórios, que passaram a tratar também de ocorrências menores, e, na África do Sul, um aprimoramento dividiu a avaliação de riscos em duas áreas: laboratorial e clínica, com postos avançados em locais específicos das cidades-sede e em pontos de entrada. Segundo Andraghetti, nas duas ultimas edições, nenhum incidente foi relatado.

Planejamento

A representante da OMS ressaltou a importância, para que haja um legado positivo, de um planejamento antecipado, feito de forma universal. "É preciso levar em conta desde os pontos de entrada, a origem das populações que visitarão o país-sede, que doenças os acometem", enumera. A preparação na área da saúde para os grandes eventos traz efeitos positivos. "O legado positivo para o país que sedia o evento vem do esforço de planejamento, que aumenta a capacidade de atendimento dos sistemas de saúde pública", conclui.

 

Fonte:
Portal da Copa