Saúde

Prevenção

Ministério da Saúde alerta sobre alimentação nas comemorações de fim de ano

Cuidado deve ser mais rigoroso para quem possui restrições alimentares, como pessoas hipertensas e com problemas cardiovasculares
publicado: 27/12/2011 12h32, última modificação: 23/12/2017 02h52

O Ministério da Saúde alertou que é importante ficar atento aos excessos durante a época de festas. O cuidado deve ser mais rigoroso para quem possui restrições alimentares, como pessoas hipertensas e com problemas cardiovasculares. A redução do consumo de sódio no Brasil é uma das estratégias do governo federal para o enfrentamento às doenças crônicas.

"O bacalhau, por exemplo, é um prato habitual nas comemorações de final de ano. É importante dessalgá-lo para evitar uma retenção na pressão arterial. Outro aspecto importante são as bebidas alcoólicas. É importante lembrar que o excesso delas contribui para o aumento da pressão arterial também", observa o cardiologista do Instituto Nacional de Cardiologia (Inca), Marcelo Assad.

A hipertensão arterial atinge 23,3% da população adulta brasileira (maiores de 18 anos), de acordo com o estudo Vigilância de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel/2010). Já as doenças cardiovasculares foram responsáveis por 319 mil óbitos em todo o País, em 2009. 

Para evitar os abusos durante as festas, a coordenadora de alimentação e nutrição do Ministério da Saúde, Patrícia Jaime, dá dicas de como aproveitar as ceias em família sem precisar cometer excessos. “Comece sempre pelas saladas, pelas frutas, e depois faça a opção por carnes que sejam mais magras. Evite o consumo de massas com caldos muito gordurosos, à base de queijo e leite".

Patrícia Jaime também destacou a importância da hidratação para quem vai ingerir bebidas alcoólicas durante as festividades de dezembro. Segundo ela, beber água entre um copo de álcool e outro é fundamental para proteger o organismo e evitar consequências desagradáveis no dia seguinte, como enxaquecas, dores estomacais e diarréias. Assim como para a alimentação, o consumo de bebidas alcoólicas também deve ser visto com moderação.

A ingestão regular e excessiva de álcool é um importante problema de saúde pública e está associado a uma grande proporção de acidentes, violência e mortes, em casa e nas estradas. Mas se o excesso for inevitável, a hidratação à base de água e sucos de frutas ainda continua sendo a melhor opção de tratamento. Caso os sintomas não desapareçam, a pessoa deve procurar imediatamente por orientação médica.

Fonte:

Ministério da Saúde

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems