Defesa e Segurança

Alterar

Acidentes em rodovias custaram R$ 40 bi em 2014

Ipea aponta queda no número de mortes a partir de 2010; PRF contabiliza economia de R$ 6,9 bi após investimento
publicado: 23/09/2015 17h59, última modificação: 22/12/2017 13h56

O número de acidentes em rodovias federais aumentou 50,3% entre 2004 e 2014, passando de 112,5 mil para 169 mil, como reflexo direto do aumento da frota nacional em 136,5%. O custo social desses acidentes atingiu R$ 12,3 bilhões no ano passado somente nas rodovias federais, levando em conta desde gastos com saúde até a perda de capacidade de trabalho das vítimas e, nos casos de morte, o empobrecimento da família. A estimativa sobe para R$ 40 bilhões ao somar o impacto das estradas municipais e estaduais. Já o custo médio por acidente foi de R$ 72,7 mil por vítima em 2014. Em casos com morte, o valor sobe para R$ 646,7 mil.

Os dados foram apresentados nesta quarta-feira (23) pelo Instituto de Pesquisa de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), após estudo feito em parceria com a Polícia Rodoviária Federa (PRF). “Esse custo recai sobre a Previdência Pública, a família e o setor privado com a perda de produtividade”, disse o coordenador da pesquisa, Carlos Henrique Carvalho.

A maioria dos acidentes ocorreu por batidas frontais entre veículos, atropelamentos e saídas de pista. A colisão frontal representou apenas 4,1% do total de acidentes, mas teve participação de 33,7% no total de mortes.

A pesquisa mostra a desatenção dos motoristas como responsável por 32,6% dos acidentes e 20,3% das mortes nas estradas. Já a direção acima do limite de velocidade foi responsável por 10,5% dos acidentes fatais, mas representou 13,1% das mortes.

Menos R$ 7 bi

O levantamento mostra, contudo, a redução de 7,7% no número de acidentes em relação a 2010, quando foram verificados 183,4 mil casos nas rodovias federais. Em 2014, as rodovias federais registraram 8.227 com vítimas fatais, contra 8.621 em 2010.

A diretora-geral da PRF, Maria Alice Souza, disse que as reduções foram resultados de investimentos realizados a partir de 2011 para aumentar a segurança nas estradas federais. “Nós verificamos que, com os investimentos que fizemos nos últimos quatro anos, houve uma redução de 22% nas mortes em rodovias federais. Nós tivemos uma redução de R$ 6,9 bilhões em custo social”, afirmou.

Segundo Maria Alice, foram contratados 3 mil policiais rodoviários desde 2011, elevando o efetivo para 10,3 mil agentes. “Os números e os diagnósticos demonstram que se tiver a fiscalização, se tiver o policial (na rodovia), diminui os acidentes e a mortes”, avaliou, ressaltando que é preciso mais investimento para fiscalizar cerca de 70 km de estradas federais no País.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ipea e da PRF

error while rendering plone.belowcontentbody.relateditems