Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2011 > 02 > CNPq atua no incentivo à pesquisa e inovação

Educação

CNPq atua no incentivo à pesquisa e inovação

Agência se destina à formação e qualificação de pesquisadores e concede bolsas de estudos para estudantes
por Portal Brasil publicado: 02/02/2011 11h25 última modificação: 28/07/2014 14h03
Exibir carrossel de imagens Mapa mundial de atuação do CNPq

Mapa mundial de atuação do CNPq

Criado em 1951 para promover e estimular o desenvolvimento da ciência, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) é uma instituição ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) que se destina ao fomento da pesquisa científica e tecnológica e também à formação e qualificação de pesquisadores no País e no exterior.

Uma das maiores e mais sólidas estruturas públicas de apoio à Ciência, Tecnologia e Inovação dos países em desenvolvimento, o CNPq é formado por uma Diretoria Executiva, responsável pela gestão da instituição e um Conselho Deliberativo, responsável pela política institucional e maior instância de poder decisório do CNPq.

Plataforma Lattes

 

A Plataforma Lattes é o banco de dados elaborado pelo CNPq para integrar em um único sistema as bases de dados de currículo, de grupos de pesquisas e de instituições. Desde sua criação a plataforma é estratégica para a formulação de políticas do Ministério de Ciência e Tecnologia e de outros órgãos governamentais voltados para a área.

Criado em 1999 pelo CNPq, o Currículo Lattes é um componente da Plataforma Lattes e tornou-se o padrão nacional de registro das atividades acadêmicas e profissionais realizadas pelos estudantes e pesquisadores do país. Hoje em dia ele é adotado pela maioria das instituições de fomento, universidades e institutos de pesquisa para avaliação de pesquisadores, professores e alunos. O Currículo Lattes atualizado é um dos critérios para a obtenção de bolsas e auxílios. 

A ideia de padronizar o registro dos currículos dos pesquisadores brasileiros vem da década de 1980. Na época, o CNPq elaborou o Banco de Currículo para, além se servir como avaliação curricular, criar uma base de dados para a seleção de consultores e especialistas. Com o avanço da informática e a chegada da internet, os formulários em papel passaram para o meio eletrônico. No fim da década de 1990, dois grupos das universidades federais de Santa Catarina e Pernambuco, aliados à empresa Multisoft, e técnicos das Superintendências de Informática e Planejamento desenvolveram uma versão de currículo que integrou todas as já existentes.

 

Fontes:
CNPq
Plataforma Lattes 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Base Nacional Comum Curricular alinha o Brasil aos melhores sistema educacionais do mundo
Com a mudança, o país se alinha aos melhores sistemas educacionais do mundo
Base Nacional Comum Curricular é homologada
Presidente Michel Temer homologou a Base Nacional Comum Curricular. Documento é considerado um avanço por especialistas em educação
Presidente Michel Temer sanciona lei do novo FIES
Uma das novidades é que recursos dos fundos constitucionais e de desenvolvimento vão ser destinados para os financiamentos estudantis
Com a mudança, o país se alinha aos melhores sistemas educacionais do mundo
Base Nacional Comum Curricular alinha o Brasil aos melhores sistema educacionais do mundo
Presidente Michel Temer homologou a Base Nacional Comum Curricular. Documento é considerado um avanço por especialistas em educação
Base Nacional Comum Curricular é homologada
Uma das novidades é que recursos dos fundos constitucionais e de desenvolvimento vão ser destinados para os financiamentos estudantis
Presidente Michel Temer sanciona lei do novo FIES

Últimas imagens

Mudanças no programa beneficiam quem mais precisa e garantem recursos para manter o financiamento estudantil
Mudanças no programa beneficiam quem mais precisa e garantem recursos para manter o financiamento estudantil
Arquivo/Agência Brasil
Encceja PPL
Arquivo/Agência Brasil
Provas serão aplicadas em 12 e 13 de dezembro em todo o País, em mais de mil unidades prisionais de 577 municípios. Grau de dificuldade da prova é equivalente ao do Enem regular
Provas serão aplicadas em 12 e 13 de dezembro em todo o País, em mais de mil unidades prisionais de 577 municípios. Grau de dificuldade da prova é equivalente ao do Enem regular
Foto: André Nery/MEC
Provas serão aplicadas em 19 de novembro, para público geral; e em 19 e 20 de dezembro para pessoas privadas de liberdade
Provas serão aplicadas em 19 de novembro, para público geral; e em 19 e 20 de dezembro para pessoas privadas de liberdade
Foto: André Nery/MEC
Ministro da Educação participou de coletiva de imprensa neste domingo (12), quando foi dado balanço da aplicação
Ministro da Educação participou de coletiva de imprensa neste domingo (12), quando foi dado balanço da aplicação
Reprodução/NBR

Governo digital