Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2011 > 09 > Enade avalia qualidade dos cursos de nível superior

Educação

Enade avalia qualidade dos cursos de nível superior

Análise

Exame Nacional de Desempenho de Estudantes é obrigatório e condição para a obtenção do diploma
por Portal Brasil publicado: 26/09/2011 16h33 última modificação: 28/07/2014 14h07
José Cruz/ABr Enade avalia qualidade da educação superior no País

Enade avalia qualidade da educação superior no País

O Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) é, ao lado da análise dos cursos e das instituições, um dos meios de avaliação da qualidade da educação superior no Brasil. A participação dos estudantes dos cursos avaliados é obrigatória e condição para a obtenção do diploma, sendo registrada no histórico escolar a situação de regularidade com o exame.

Criado em 2004, o Enade substituiu o Exame Nacional de Cursos (também conhecido como Provão). Em sua sexta edição, a prova que mede as competências e habilidades dos estudantes nos respectivos cursos passou por algumas mudanças.

As diretrizes principais ainda continuam as mesmas. Apenas alunos ingressantes e concluintes devem ser inscritos pelas Instituições de Ensino Superior (IES) para realizar o exame e há um ciclo avaliativo,com  duração de três anos, entre os cursos avaliados. O que mudou ao longo do tempo foi o critério para definir os participantes d a prova. 

Todos os cursos de graduação são avaliados e no incio de cada ano, por meio de Portaria Ministerial, ocorre a divulgação dos cursos que integrarão o ciclo avaliativo naquele ano.

O desempenho dos estudantes no Enade é um dos componentes do Conceito Preliminar de Curso (CPC). Também compõem a nota do CPC o Índice de Diferença de Desempenho (IDD), que é a média entre a nota do aluno no ingresso e no fim do curso, além da opinião dos estudantes sobre as IES com relação à infraestrutura, instalações físicas, recursos didático-pedagógicos, titulação dos professores, e o questionário preenchido pelos participantes do Enade naquele ciclo avaliativo. 

O Conceito Preliminar de Curso (CPC), indicador de qualidade dos cursos de graduação (que varia de 1 a 5), é utilizado pelo Ministério da Educação para subsidiar as ações de regulação da educação superior. Cursos com conceitos 1 ou 2 (insatisfatório) são submetidos à visitas de comissão de especialistas formadas por docentes da educação superior na área do curso avaliado designadas peloInep e podem sofrer sanções, como a redução do número de vagas para ingressantes ou até mesmo o encerramento da oferta dessas vagas. Quem recebe conceito 3, 4 ou 5 (satisfatório), pode ser dispensado da avaliação in loco.

Fontes:
Inep 
Ministério da Educação

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Erro
Ocorreu um erro enquanto renderizando o portlet.

Últimas imagens

Recursos destinam-se a pequenos reparos, manutenção da infraestrutura, compra de material de consumo e de bens permanentes
Recursos destinam-se a pequenos reparos, manutenção da infraestrutura, compra de material de consumo e de bens permanentes
Divulgação/MEC
Período de coleta vai até 27 de março próximo para as universidades federais e até 24 de abril para as demais instituições públicas e particulares
Período de coleta vai até 27 de março próximo para as universidades federais e até 24 de abril para as demais instituições públicas e particulares
Divulgação/EBC
Normas vigentes determinam que os recursos públicos devem ser remunerados em aplicação financeira até sua utilização
Normas vigentes determinam que os recursos públicos devem ser remunerados em aplicação financeira até sua utilização
Divulgação/FNDE
Alunos, pais, professores, gestores, comunidade escolar, academia, estudiosos e sociedade em geral podem fazer suas propostas, sugestões e comentários
Alunos, pais, professores, gestores, comunidade escolar, academia, estudiosos e sociedade em geral podem fazer suas propostas, sugestões e comentários
Divulgação/Governo de Mato Grosso do Sul
Pesquisador Magnus e o Diretor Municipal de Economia e Inovação na Câmara Municipal de Lisboa Paulo Carvalho
Pesquisador Magnus e o Diretor Municipal de Economia e Inovação na Câmara Municipal de Lisboa Paulo Carvalho
Divulgação/Capes

Governo digital