Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2012 > 04 > Taxas escolaridade e rendimento aumentam em dez anos, revela Censo 2010

Educação

Taxas escolaridade e rendimento aumentam em dez anos, revela Censo 2010

por Portal Brasil publicado: 27/04/2012 15h18 última modificação: 28/07/2014 16h39

Os Resultados Gerais da Amostra do Censo 2010, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (27), apresentam uma série de mudanças ocorridas no País entre os anos de 2000 e 2010. 

A pesquisa inclui informações sobre características de pessoas com deficiência, educação, trabalho e rendimento, domicílios e deslocamento para trabalho e estudo, tempo de deslocamento para trabalho, migração e nupcialidade. 

Em 2010, havia 45,6 milhões de pessoas com pelo menos uma das deficiências investigadas - visual, auditiva, motora e mental -, representando 23,9% da população. 

O nível de instrução da população aumentou. Nas pessoas de dez anos ou mais de idade por nível de instrução, de 2000 para 2010, o percentual dos sem instrução ou com o nível fundamental incompleto caiu de 65,1% para 50,2%. Já a taxa de pessoas com pelo menos o curso superior completo aumentou de 4,4% para 7,9%. 

De 2000 para 2010, o percentual de jovens que não frequentavam escola na faixa de sete a 14 anos de idade caiu de 5,5% para 3,1%. As maiores quedas ocorreram nas regiões Norte, de 11,2% para 5,6% - que ainda é o maior percentual entre as regiões -, e Nordeste, de 7,1% para 3,2%. 

O rendimento médio mensal de todos os trabalhos das pessoas ocupadas com rendimento de trabalho foi, em 2010, de R$ 1.345, contra R$ 1.275 em 2000, um ganho real de 5,5%. Enquanto o rendimento médio real dos homens passou de R$ 1.450 para R$ 1.510, de 2000 para 2010, o das mulheres foi de R$ 982 para R$ 1.115 no mesmo período. 

O ganho real foi de 13,5% para as mulheres e 4,1% para os homens. A mulher passou a ganhar 73,8% do rendimento médio de trabalho do homem. Em 2000, esse percentual era 67,7%. 

As pessoas que ganhavam mais de 20 salários mínimos de rendimento mensal de todos os trabalhos representaram 0,9% da população ocupada do País, em 2010, enquanto a parcela das sem rendimento foi de 6,6% e a das com remuneração até um salário mínimo, 32,7%. 

No Brasil, 32,2 milhões de pessoas - 52,2% do total dos que trabalhavam fora do domicílio - levavam de seis a 30 minutos para chegar ao trabalho em 2010 e, sete milhões, ou 11,4%, levavam mais de uma hora. No estado do Rio de Janeiro, dois milhões (38,6%) levavam entre seis minutos e meia hora, 1,6 milhão (30,7%) levava entre meia e uma hora e 1,2 milhão (23,1%) levava mais de uma hora no trajeto. 

No Sudeste, o deslocamento para estudar em outro município foi de dois milhões (8,5%) de estudantes, a maioria em São Paulo: 1,1 milhão de pessoas (57% do total do Sudeste). Santa Catarina tinha o percentual mais elevado do País: de seus 1,8 milhão de estudantes, 184 mil (10,1%) se deslocavam para outro município. 

No ano de 2010, o País recebeu 268,5 mil imigrantes internacionais, 86,7% a mais do que em 2000, que eram 143,6 mil. Os principais países de origem dos imigrantes foram os Estados Unidos (51,9 mil) e Japão (41,4 mil). Do total de imigrantes internacionais, 174,6 mil (65,0%) eram brasileiros e estavam retornando. Já em 2000, foram 87,9 mil imigrantes internacionais de retorno, 61,2% do total dos imigrantes. 

A migração de retorno dentro do País, referente às pessoas que nasceram no estado em que residiam na data de referência do Censo e que moravam em outro estado cinco anos antes, passou de 22,0% do total de migrantes (1,1 milhão de pessoas) para 24,5% dos migrantes (1,2 milhão de pessoas). 

A proporção de uniões consensuais passou de 28,6% em 2000 para 36,4% em 2010. Diminuíram os casamentos do tipo civil e religioso, de 49,2% para 42,9%. No estado do Amapá, as uniões consensuais chegaram a 63,5%.

 

Fonte
IBGE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Concurso premia melhores receitas da merenda escolar
MEC promove o concurso, que tem por objetivo escolher as receitas mais saudáveis e saborosas das escolas públicas de todo o País
Estados irão oferecer 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral
Ministério da Educação autorizou que estados ofereçam cerca de 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral, no ciclo 2018-2020
MEC regulamenta para cursos superiores à distância
Medida busca expandir a oferta destes cursos com aumento qualitativo
MEC promove o concurso, que tem por objetivo escolher as receitas mais saudáveis e saborosas das escolas públicas de todo o País
Concurso premia melhores receitas da merenda escolar
Ministério da Educação autorizou que estados ofereçam cerca de 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral, no ciclo 2018-2020
Estados irão oferecer 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral
Medida busca expandir a oferta destes cursos com aumento qualitativo
MEC regulamenta para cursos superiores à distância

Últimas imagens

As instituições poderão oferecer exclusivamente cursos EaD, na graduação e na pós-graduação
As instituições poderão oferecer exclusivamente cursos EaD, na graduação e na pós-graduação
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Portaria com a lista dos cursos foi publicada no Diário Oficial da União
Portaria com a lista dos cursos foi publicada no Diário Oficial da União
Foto: Marcos Santos/USP
Agentes comunitários devem percorrer bairros à procura de crianças fora da escola e alertar plataforma
Agentes comunitários devem percorrer bairros à procura de crianças fora da escola e alertar plataforma
Mayke Toscano/Governo de Mato Grosso
BNCC vem sendo discutida desde 2015 em articulação e colaboração com estados, Distrito Federal e municípios
BNCC vem sendo discutida desde 2015 em articulação e colaboração com estados, Distrito Federal e municípios
Valdir Rocha/Governo de Alagoas
Público-alvo são profissionais de cidades com pouca estrutura e longe de centros de conhecimento
Público-alvo são profissionais de cidades com pouca estrutura e longe de centros de conhecimento
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Governo digital