Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2012 > 11 > Pacto para alfabetização até os oito anos de idade terá aporte de R$ 600 milhões

Educação

Pacto para alfabetização até os oito anos de idade terá aporte de R$ 600 milhões

por Portal Brasil publicado: 14/11/2012 13h18 última modificação: 28/07/2014 16h38
Divulgação/Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação O ensino fundamental deve ser concluído com domínio da leitura, escrita e cálculo

O ensino fundamental deve ser concluído com domínio da leitura, escrita e cálculo

A meta é que todas as crianças com até oito anos de idade estejam alfabetizadas até o final do terceiro ano do ensino fundamental

 

Mais R$ 600 milhões serão investidos no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, que foi lançado na última semana pelo governo federal. Com o reajuste, agora serão aplicados no programa R$ 3,3 bilhões em dois anos. A meta do pacto é alfabetizar crianças com até oito anos de idade, ao final do terceiro ano do ensino fundamental.

No programa de rádio semanal Café com a Presidenta da última segunda-feira (12), a presidenta Dilma Rousseff anunciou reajuste de R$ 50 nos valores que serão pagos aos 360 mil professores alfabetizadores. Agora, o valor pago será de R$ 200, para que os professores participarem do curso de formação.

A bolsa dos 18 mil professores orientadores também teve reajuste, de R$ 15 reais, e ficará em R$ 765 por mês. Cursos de 200 horas, que visam uniformizar procedimentos educacionais em todo o País, serão preparados, agora, por 36 universidades públicas.

Para a presidenta, o programa terá impacto nos índices de desigualdade e exclusão no País. “O Alfabetização na Idade Certa vai ajudar toda criança a ter o aprendizado adequado para continuar estudando e, lá na frente, usar todas as oportunidades que encontrar para progredir na vida.”

 

Medidas

O principal eixo do pacto é a formação continuada de 360 mil professores alfabetizadores. Os cursos terão duração de dois anos: no primeiro ano, com ênfase em linguagem; e no segundo, em matemática. Os cursos serão totalmente custeados pela União e oferecidos no próprio município no qual o professor trabalha.

A formação será supervisionada por, aproximadamente, 18 mil orientadores de estudo, selecionados dentro da própria rede pública, pela experiência em alfabetização e coordenação pedagógica.

O material necessário para garantir, a cerca de, oito milhões de alunos o processo da alfabetização plena nos três primeiros anos do ensino fundamental será fornecido pelo Ministério da Educação (MEC). Serão distribuídos 26,5 milhões de livros didáticos nas escolas de ensino regular e do campo, além de 4,6 milhões de dicionários, 10,7 milhões de obras de literatura e 17,3 milhões de livros paradidáticos. O pacto vai assegurar, ainda, uma pequena biblioteca em cada sala de alfabetização.

Outro destaque será a criação de um sistema de avaliação que irá medir o nível de alfabetização, para o qual professores e escolas serão capacitados. As instituições de ensino realizarão provas diagnósticas, além das aferições do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), aplicadas para o segundo e terceiro anos do ensino fundamental. A iniciativa busca suprir a falta de um exame oficial que indique se crianças estão sendo alfabetizadas ou não na idade correta.

Haverá ainda um sistema de incentivo a escolas e professores que mais avançarem no processo de alfabetização, que destinará, no primeiro ano, R$ 500 milhões para premiação.

 

Adesão

O compromisso foi firmado entre governo federal, prefeituras, governos estaduais e do Distrito Federal, com adesão de todas as secretarias estaduais de educação e de 5.270 municípios. As redes municipais e estaduais deverão aderir ao programa para receber recursos e o apoio técnico do MEC. 

 

Fonte:
Agência Brasil
Portal Brasil

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

O portal da Base Nacional Comum
Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios explica como ocorrerá participação da sociedade.
A unificação curricular da Educação Básica
De acordo com Manuel Palácios, secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, unificação curricular contribuir para modernização do ensino.
A educação básica brasileira
Para secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios, há compromisso das instituições de ensino e da população do País com ideal democrático.
Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios explica como ocorrerá participação da sociedade.
O portal da Base Nacional Comum
De acordo com Manuel Palácios, secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, unificação curricular contribuir para modernização do ensino.
A unificação curricular da Educação Básica
Para secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios, há compromisso das instituições de ensino e da população do País com ideal democrático.
A educação básica brasileira

Últimas imagens

Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana
Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana
Divulgação/Ministério da Educação
Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana
Alunos brasileiros são premiados em competição latino-americana
Divulgação/Ministério da Educação
Na 43ª edição da WorldSkills, Brasil alcançou o melhor resultado da história do País na competição: 11 medalhas de ouro, dez de prata, seis de bronze
Na 43ª edição da WorldSkills, Brasil alcançou o melhor resultado da história do País na competição: 11 medalhas de ouro, dez de prata, seis de bronze
Divulgação/MEC
Serão selecionadas obras didáticas de todos os componentes curriculares dos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano)
Serão selecionadas obras didáticas de todos os componentes curriculares dos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano)
Tereza Sobreira/MEC
Foram criados 50 novos cursos de Medicina em 45 municípios, resultando em 5,3 mil novas vagas
Foram criados 50 novos cursos de Medicina em 45 municípios, resultando em 5,3 mil novas vagas
Geyson Magno/MEC

Governo digital