Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2013 > 04 > Crianças de 4 anos deverão estar obrigatoriamente matriculadas nas escolas em 2016

Educação

Crianças de 4 anos deverão estar obrigatoriamente matriculadas nas escolas em 2016

por Portal Brasil publicado: 08/04/2013 12h31 última modificação: 30/07/2014 00h18
Divulgação/Portal Brasil Todas as crianças deverão ser matriculadas na educação básica a partir dos quatro anos de idade a partir de 2016

Todas as crianças deverão ser matriculadas na educação básica a partir dos quatro anos de idade a partir de 2016

Estados e municípios têm até 2016 para garantir a oferta de vagas

 

A partir de 2016, todas as crianças deverão ser matriculadas na educação básica a partir dos quatro anos de idade. É o que determina a Lei 12.796, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff na última sexta-feira (5). A lei também ajusta a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), tornando obrigatória a oferta gratuita de educação básica a partir desta mesma idade.

Para atender a essa obrigatoriedade de pais e responsáveis, as redes municipais e estaduais deverão se adequar, dentro do mesmo prazo, para acolher alunos de quatro a 17 anos. O fornecimento de transporte, alimentação e material didático também será estendido a todas as etapas da educação básica.

A nova lei estabelece, ainda, que a educação infantil - que contemplará crianças de quatro e cinco anos na pré-escola - seja organizada com carga horária mínima anual de 800 horas, distribuída por no mínimo 200 dias letivos. O atendimento ao estudante deve ser, no mínimo, de quatro horas diárias para o turno parcial e de sete para a jornada integral, medida que já valia para os ensinos fundamental e médio.

 

Outras mudanças

As alterações nos artigos da LDB também englobam a educação especial que, de acordo com a lei, é a modalidade de educação escolar oferecida, preferencialmente, na rede regular de ensino para pessoas com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.

O texto também garante que o poder público adotará, como alternativa preferencial, a ampliação do atendimento aos educandos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação na própria rede pública. Também foi incluída na lei sancionada a consideração com a diversidade étnico-racial entre as bases nas quais o ensino será baseado.

 

Alfabetização na idade certa

No dia 8 de novembro do ano passado, foi lançado o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, a fim de garantir que todas as crianças brasileiras estejam alfabetizadas até os oito anos de idade ao final do terceiro ano do ensino fundamental. A medida terá investimentos de R$ 2,7 bilhões, até 2014, em capacitação, material didático e bolsas para cerca de 360 mil professores alfabetizadores.

Com o pacto, aos oito anos de idade, as crianças precisam ter a compreensão do funcionamento do sistema de escrita; o domínio das correspondências grafofônicas, mesmo que dominem poucas convenções ortográficas irregulares e poucas regularidades que exijam conhecimentos morfológicos mais complexos; a fluência de leitura e o domínio de estratégias de compreensão e de produção de textos escritos.

Os entres governamentais, ao aderir o pacto, se comprometem a alfabetizar todas as crianças em língua portuguesa e em matemática, realizar avaliações anuais universais, aplicadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), junto aos concluintes do 3º ano do ensino fundamental e, no caso dos estados, apoiar os municípios que tenham aderido às ações do pacto, para sua efetiva implementação.

O compromisso foi firmado entre governo federal, prefeituras, governos estaduais e do Distrito Federal, com adesão de todas as secretarias estaduais de educação e de mais de 5,2 mil municípios. As redes municipais e estaduais deverão aderir ao programa para receber recursos e o apoio técnico do Ministério da Educação (MEC).

 

Fonte:
Ministério da Educação

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

O peso da agricultura familiar
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic explica como políticas complementares ajudam a diminuir fome e a ampliar receitas com exportação.
Participantes do Enem podem concorrer a vagas em universidade de Portugal
Testemunho de estudante brasileira em universidade portuguesa
Ministro pede negociações em Curitiba
Ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, pede diálogo e volta das negociações entre governo e professores de Curitiba
Representante da FAO no Brasil, Alan Bojanic explica como políticas complementares ajudam a diminuir fome e a ampliar receitas com exportação.
O peso da agricultura familiar
Testemunho de estudante brasileira em universidade portuguesa
Participantes do Enem podem concorrer a vagas em universidade de Portugal
Ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, pede diálogo e volta das negociações entre governo e professores de Curitiba
Ministro pede negociações em Curitiba

Últimas imagens

Aditamento do segundo semestre só pode ser feito quando o do período anterior estiver regularizado
Aditamento do segundo semestre só pode ser feito quando o do período anterior estiver regularizado
Divulgação/Ministério da Educação
Jovem brasileiro é vencedor do Concurso Nacional de Redação de Cartas promovido pelos Correios
Jovem brasileiro é vencedor do Concurso Nacional de Redação de Cartas promovido pelos Correios
Divulgação/MiniCom
O site reúne documentos teóricos, vídeos com especialistas e autoridades
O site reúne documentos teóricos, vídeos com especialistas e autoridades
Portal Brasil
Valor liberado garante a manutenção dos contratos já existentes e a abertura de novas vagas
Valor liberado garante a manutenção dos contratos já existentes e a abertura de novas vagas
João Bittar/MEC
As micro e pequenas empresas terão benefícios na contratação de aprendizes e os jovens terão a formação técnica paga com recursos do Pronatec
As micro e pequenas empresas terão benefícios na contratação de aprendizes e os jovens terão a formação técnica paga com recursos do Pronatec
Divulgação/Ministério da Educação

Governo digital