Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2015 > 03 > Mulheres são maioria no ingresso e na conclusão de cursos superiores

Educação

Mulheres são maioria no ingresso e na conclusão de cursos superiores

Universidades

No último ano do decênio, do total aproximado de 6 milhões de matrículas, 3,4 milhões foram de mulheres, contra 2,7 milhões do sexo oposto
por Portal Brasil publicado: 08/03/2015 11h04 última modificação: 08/03/2015 18h09
João Neto/MEC Para a professora Priscila Rufinoni, mudanças nos programas educacionais abriram espaço para as mulheres

Para a professora Priscila Rufinoni, mudanças nos programas educacionais abriram espaço para as mulheres

A força da mulher está presente nas universidades brasileiras. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o número de mulheres que ingressam no ensino superior supera o de homens.

O percentual médio de ingresso de alunas até 2013 foi de 55% do total em cursos de graduação presenciais. Se o recorte for feito por concluintes, o índice sobe para 60%.

No último ano do decênio, do total aproximado de 6 milhões de matrículas, 3,4 milhões foram de mulheres, contra 2,7 milhões do sexo oposto. Na conclusão dos estudos, 491 mil alunas formaram-se, enquanto 338 mil homens terminaram seus cursos em 2013.

Essa forte presença feminina está mais atrelada aos cursos de humanas. No ano de 2011, por exemplo, 64% dos bolsistas do CNPq na área de ciências exatas e da terra eram homens; em engenharia e computação, 66%.

Novos desafios

Porém, de acordo com a professora de filosofia Priscila Rufinoni, da Universidade de Brasília (UnB), as mulheres começaram a ocupar cursos em que não estavam tão presentes.

“Este curso (filosofia) sempre foi mais masculino, a começar por seu corpo docente, de maioria esmagadora: 37 homens e 5 mulheres, e assim também entre o alunado”, explica Rufinoni.

Segundo ela, apesar da filosofia ser da área de ciências humanas, ela oferece interface com as ciências exatas, onde a maioria masculina prevalece. Mas, Priscila acredita que esse quadro tende a se alterar. “Aumentou o número de alunas no curso. Hoje, vejo mais meninas nas salas”, afirma a professora.

Há sete anos na UnB, ela diz que uma entre as causas do maior ingresso feminino são as mudanças nos programas educacionais brasileiros, com expansão do acesso ao ensino superior.

“O Reuni mudou muito a perspectiva, reestruturou a educação. A filosofia virou disciplina do ensino médio, isso aumentou sua visibilidade e o interesse das mulheres”, avalia a pesquisadora.

Fonte:

Ministério da Educação

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Inscrições do Prouni começam hoje e vão até 9 de fevereiro
Estão abertas as inscrições as bolsas do Programa Universidade para Todos para o primeiro semestre de 2018
ProJovem tem matrículas abertas até 28 de fevereiro
É oportunidade para quem quer concluir o ensino fundamental e obter um certificado em cursos profissionalizantes
Enem: Estudante realiza o sonho de cursar medicina
Larissa Fernandes fez mil pontos na redação. Com o resultado, estudante pode se candidatar a vagas em universidades públicas ou tentar financiamentos em instituições particulares
Estão abertas as inscrições as bolsas do Programa Universidade para Todos para o  primeiro semestre de 2018
Inscrições do Prouni começam hoje e vão até 9 de fevereiro
É oportunidade para quem quer concluir o ensino fundamental e obter um certificado em cursos profissionalizantes
ProJovem tem matrículas abertas até 28 de fevereiro
Larissa Fernandes fez mil pontos na redação. Com o resultado, estudante pode se candidatar a vagas em universidades públicas ou tentar financiamentos em instituições particulares
Enem: Estudante realiza o sonho de cursar medicina

Governo digital