Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2016 > 01 > Competição no Sisu chegou a 23,1 estudantes por vaga

Educação

Competição no Sisu chegou a 23,1 estudantes por vaga

MEC

No total, 6.323 cursos em todo o País ofereceram oportunidades
por Portal Brasil publicado: 19/01/2016 20h59 última modificação: 22/01/2016 16h50
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, fala sobre inscrições no Sisu e Prouni

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, fala sobre inscrições no Sisu e Prouni

A maior oferta de cursos presentes no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) deste ano fez cair a relação média entre candidatos e vagas nos cursos universitários de instituições públicas, segundo dados divulgados nesta terça-feira (19) pelo Ministério da Educação. Considerando as 5,2 milhões de inscrições e as 228 mil vagas, a relação candidato vaga foi de 23,1. No ano passado, esse índice havia sido de 26,4.

O Sisu é o sistema informatizado do Ministério da Educação por meio do qual instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a candidatos participantes do Enem.

Segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, nos últimos seis anos as condições ficaram mais favoráveis para os estudantes. "Essa redução (na relação entre candidato/vaga) se deu, basicamente, pelo aumento da oferta", disse o ministro. As vagas deste ano no Sisu representam um aumento de 10,9% em relação ao que foi oferecido em 2015.

Perfil

No total, 6.323 cursos em todo o País disponibilizaram vagas. O Sisu contou com 5,2 milhões de inscrições, realizadas por 2,7 milhões de estudantes, já cada pessoa pode se inscrever na disputa de até dois cursos.

Na análise por gênero, o Sisu teve 1,5 milhão de estudantes do sexo feminino, o que representa 57,1% do total de inscritos. A maior parte (aproximadamente 60%) desses alunos têm até 22 anos.

Por instituições participantes, a maior concorrência registrada foi na Universidade Federal do Maranhão, onde a disputa chegou a 56 estudantes por vaga. Por curso, o mais disputado no País foi o de Medicina, com 52 inscritos para cada uma das vagas.

A maior nota de corte registrada, aliás, foi para quem sonha em se tornar médico na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O índice na concorrência ampla foi de 824,74. Já a nota de corte do mesmo curso e na mesma instituição para os inscritos pelo sistema de cotas foi de 801,19.

Quem conseguiu ser aprovado em uma dessas instituições públicas deve realizar a matricula entre os dias 22 e 26 de janeiro de 2016. Já quem quiser optar por aguardar nas listas de espera deve manifestar interesse até o dia 29 deste mês. As instituições devem convocar as próximas chamadas a partir de 4 de fevereiro.

Prouni

O MEC também divulgou informações sobre o Programa Universidade Para Todos (ProUni). Neste ano serão ofertadas 203.602 bolsas de estudo, distribuídas por 30.931 cursos em 1.069 instituições de ensino privado. A maior quantidade de bolsas ofertadas será em São Paulo (62,6 mil). O curso com maior quantidade de oportunidades são os que integram as áreas de engenharias.

Além de ter realizado o Enem e ter obtido, no mínimo 450 pontos na média, sem zerar a redação, o estudante que deseja concorrer a uma das bolsas do Prouni deve ser brasileiro nato e não ter outro diploma de curso superior.

O candidato também tem de atender pelo menos uma das seguintes condições: ser egresso do Ensino Médio da rede pública; ser egresso da rede particular, na condição de bolsista integral da própria escola; ter alguma deficiência ou ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrante de quadro de pessoal permanente de instituição pública.

Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Educação

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Enem 2017 será adaptado para surdos
Candidatos terão tradutor para Língua Brasileira de Sinais (Libras) para tirar dúvidas sobre vocabulário e vão contar com uma hora a mais de prova.
Ministério da Educação reforça segurança do Enem 2017
Provas acontecerão em dois domingos consecutivos. Inscrições para o Enem começam dia 8 de maio - taxa de inscrição é de R$ 82
Inscrições para Olimpíada de Matemática vão até o dia 31
A principal novidade deste ano é ampliação da competição com a participação de alunos das escolas particulares
Candidatos terão tradutor para Língua Brasileira de Sinais (Libras) para tirar dúvidas sobre vocabulário e vão contar com uma hora a mais de prova.
Enem 2017 será adaptado para surdos
Provas acontecerão em dois domingos consecutivos. Inscrições para o Enem começam dia 8 de maio - taxa de inscrição é de R$ 82
Ministério da Educação reforça segurança do Enem 2017
A principal novidade deste ano é ampliação da competição com a participação de alunos das escolas particulares
Inscrições para Olimpíada de Matemática vão até o dia 31

Últimas imagens

Provas serão aplicadas para cursos de bacharel, licenciatura e tecnólogo
Provas serão aplicadas para cursos de bacharel, licenciatura e tecnólogo
Arquivo/EBC
Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior
Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior
Foto: Alexandra Martins/UnB Agência
Aulas terão foco na preparação para os exames de proficiência nas duas línguas
Aulas terão foco na preparação para os exames de proficiência nas duas línguas
Arquivo/UFPa
Enem 2017 será realizado em 5 e 12 de novembro, dois domingos consecutivos
Enem 2017 será realizado em 5 e 12 de novembro, dois domingos consecutivos
Marcos Santos/USP Imagens
O Saeb é obrigatório para as escolas públicas e facultativo para as privadas
O Saeb é obrigatório para as escolas públicas e facultativo para as privadas
João Bittar/MEC

Governo digital