Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2016 > 02 > Salário-educação projeta repasse de R$ 11,8 bi a Estados e municípios em 2016

Educação

Salário-educação projeta repasse de R$ 11,8 bi a Estados e municípios em 2016

Educação básica

No total, as redes estaduais e distrital devem receber R$ 5,35 bilhões e as municipais, R$ 6,47 bilhões
publicado: 11/02/2016 16h48 última modificação: 12/02/2016 19h16
Divulgação/MDS Salário-educação é uma das principais fontes de recursos para a manutenção e o desenvolvimento do ensino

Salário-educação é uma das principais fontes de recursos para a manutenção e o desenvolvimento do ensino

O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) projeta o repasse de R$ 11,83 bilhões para a quota de Estados e municípios do salário-educação de 2016. Trata-se de um aumento de 3,3% em relação ao valor transferido em 2015 (R$ 11,45 bilhões). No total, as redes estaduais e distrital devem receber R$ 5,35 bilhões e as municipais, R$ 6,47 bilhões. A estimativa foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (11).

O salário-educação é uma das principais fontes de recursos para a manutenção e o desenvolvimento do ensino. A contribuição social é recolhida de todas as empresas e entidades vinculadas ao Regime Geral da Previdência Social. A alíquota é de 2,5% sobre a folha de pagamento.

Após a arrecadação, feita pela Receita Federal, o FNDE reparte os recursos em 90% para quotas estadual/municipal (2/3) e quota federal (1/3); e 10% para serem utilizados pela autarquia em ações e programas voltados à educação básica.

Distribuída com base no número de matrículas no ensino básico, a quota estadual/municipal é depositada mensalmente nas contas correntes das secretarias de educação. Já a quota federal é destinada ao FNDE, para reforçar o financiamento da educação básica, com o intuito de reduzir os desníveis socioeducacionais entre municípios e estados.

Fonte: Portal Brasil, com informações do FNDE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Enem 2017 será adaptado para surdos
Candidatos terão tradutor para Língua Brasileira de Sinais (Libras) para tirar dúvidas sobre vocabulário e vão contar com uma hora a mais de prova.
Ministério da Educação reforça segurança do Enem 2017
Provas acontecerão em dois domingos consecutivos. Inscrições para o Enem começam dia 8 de maio - taxa de inscrição é de R$ 82
Inscrições para Olimpíada de Matemática vão até o dia 31
A principal novidade deste ano é ampliação da competição com a participação de alunos das escolas particulares
Candidatos terão tradutor para Língua Brasileira de Sinais (Libras) para tirar dúvidas sobre vocabulário e vão contar com uma hora a mais de prova.
Enem 2017 será adaptado para surdos
Provas acontecerão em dois domingos consecutivos. Inscrições para o Enem começam dia 8 de maio - taxa de inscrição é de R$ 82
Ministério da Educação reforça segurança do Enem 2017
A principal novidade deste ano é ampliação da competição com a participação de alunos das escolas particulares
Inscrições para Olimpíada de Matemática vão até o dia 31

Últimas imagens

Provas serão aplicadas para cursos de bacharel, licenciatura e tecnólogo
Provas serão aplicadas para cursos de bacharel, licenciatura e tecnólogo
Arquivo/EBC
Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior
Como o caso tem repercussão geral, o julgamento vale para todo o sistema público do ensino superior
Foto: Alexandra Martins/UnB Agência
Aulas terão foco na preparação para os exames de proficiência nas duas línguas
Aulas terão foco na preparação para os exames de proficiência nas duas línguas
Arquivo/UFPa
Enem 2017 será realizado em 5 e 12 de novembro, dois domingos consecutivos
Enem 2017 será realizado em 5 e 12 de novembro, dois domingos consecutivos
Marcos Santos/USP Imagens
O Saeb é obrigatório para as escolas públicas e facultativo para as privadas
O Saeb é obrigatório para as escolas públicas e facultativo para as privadas
João Bittar/MEC

Governo digital