Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2016 > 09 > Projeto do Ifam traduz lendas amazônicas para Libras

Educação

Projeto do Ifam traduz lendas amazônicas para Libras

Acessibilidade

A iniciativa é desenvolvida pelo Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam) na cidade de Maués, no Amazonas
por Portal Brasil publicado: 28/09/2016 10h10 última modificação: 28/09/2016 13h24

Projeto do Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam) está recontando as lendas amazônicas em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Desenvolvida em parceria com o Centro de Convivência do Idoso de Maués, cidade do Amazonas, a iniciativa traduz para Libras a história de personagens como Matita Pereira, Jurupari, o Boto e o curandeiro Anselmo ou que narram de forma mitológica a origem do rio Maués e do fruto do guaraná.

“Poucas famílias têm cursos ou formação em Libras para conversar com o filho. Aqui, em Maués, eles usam muitos gestos caseiros”, comenta o professor do Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam) Maxmiliano Batista de Barros, coordenador do projeto Tradução de lendas amazônicas: do português para Libras.

Alunos do curso de tecnologia do Ifam atuam como voluntários na ação, que pretende dar à comunidade de surdos do Estado a oportunidade de conhecer a sua cultura.

Composto por mais de 200 comunidades rurais, o município de Maués está localizado a 356 km de Manaus. A cidade, considerada de porte médio, possui cerca de 53 mil habitantes, dos quais 14 mil têm algum tipo de deficiência leve, moderada ou severa. Os dados foram apurados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no censo de 2010, ano a partir do qual o campus de Maués passou a receber alunos com distúrbios de audição.

Há 2 mil surdos no município, de acordo com levantamento feito em 2013. “Estamos mostrando para o município que há surdos e que eles têm direito a uma educação de qualidade. Esse trabalho faz com que outras pessoas criem o interesse em se capacitar em Libras”, relata o professor Maximiliano de Barros.

“Nossas lendas amazônicas têm um requinte educativo ao modo caboclo, era como o indígena educava suas crianças e adolescentes”, lembra Barros. “Eles são um povo místico e supersticioso, as lendas vinham como um aviso, uma lição”, acrescenta, ao defender que a temática pode ser trabalhada em outras disciplinas, como história, geografia e filosofia, por exemplo.

Segundo o professor, atualmente estão matriculados na rede estadual de Maués 11 alunos surdos. Na escola estadual Santina Felizola foram contratados três intérpretes de Libras. “Isso já foi um grande avanço para o município, e agora estamos lutando, enquanto instituto, para que nossos alunos também tenham esse acompanhamento.”

O projeto apresenta as lendas ao vivo, mas a proposta é, em 2018, transformar o material em um livro acessível, com versões em Libras, braile e em vídeo, para publicação na internet.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Educação (MEC)

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Acordo de cooperação vai estender ações do Criança Feliz
Parceria entre o governo associação de universidades particulares vai estender ações Programa Criança Feliz à primeira infância
Mais de 1,5 milhão se inscrevem no Encceja
Encceja é oportunidade para jovens que querem concluir os estudos. Aprovados recebem certificado de conclusão do ensino fundamental e médio
MEC abre edital para o programa Idiomas Sem Fronteiras
Seleção será para aulas presenciais das línguas alemã, espanhola, francesa, italiana, japonesa e de português como língua estrangeira
Parceria entre o governo associação de universidades particulares vai estender ações Programa Criança Feliz à primeira infância
Acordo de cooperação vai estender ações do Criança Feliz
Encceja é oportunidade para jovens que querem concluir os estudos. Aprovados recebem certificado de conclusão do ensino fundamental e médio
Mais de 1,5 milhão se inscrevem no Encceja
Seleção será para aulas presenciais das línguas alemã, espanhola, francesa, italiana, japonesa e de português como língua estrangeira
MEC abre edital para o programa Idiomas Sem Fronteiras

Últimas imagens

Manter média de três horas de estudo por dia é suficiente para realizar uma boa prova
Manter média de três horas de estudo por dia é suficiente para realizar uma boa prova
Arquivo/Gov. Mato Grosso
Domínio sobre assuntos da atualidade é cobrado na redação e nas questões objetivas do Enem
Domínio sobre assuntos da atualidade é cobrado na redação e nas questões objetivas do Enem
Arquivo/Ministério da Educação
Microbiologia, Parasitologia e Imunologia concentraram cursos com maiores notas
Microbiologia, Parasitologia e Imunologia concentraram cursos com maiores notas
Cecília Bastos/USP Imagens
Os cursos serão on-line e ofertados pelos núcleos de línguas das universidades federais e estaduais participantes do programa
Os cursos serão on-line e ofertados pelos núcleos de línguas das universidades federais e estaduais participantes do programa
Arquivo/Agência Brasil
Mais de 1,5 milhão de pessoas farão as provas: 301 mil para Ensino Fundamental e 1,2 milhão para Ensino Médio
Mais de 1,5 milhão de pessoas farão as provas: 301 mil para Ensino Fundamental e 1,2 milhão para Ensino Médio
Foto: Mariana Leal/ MEC

Governo digital