Você está aqui: Página Inicial > Educação > 2017 > 01 > Bolsas e financiamentos incentivam permanência em universidades

Educação

Bolsas e financiamentos incentivam permanência em universidades

Graduação

Apoio oferecido pelas instituições particulares e recursos do governo contribuem para custear mensalidades
por Portal Brasil publicado: 18/01/2017 11h28 última modificação: 18/01/2017 12h48
Tomaz Silva/Agência Brasil Desempenho do Enem é um dos critérios para seleção de bolsistas e contratos de financiamento

Desempenho do Enem é um dos critérios para seleção de bolsistas e contratos de financiamento

Para grande número de candidatos a uma vaga em universidades particulares, o sonho de cursar uma graduação esbarra em dificuldades para quitar a mensalidade do curso. Por isso, instituições particulares costumam oferecer bolsas de estudo para apoiar a permanência desses estudantes.

Bolsa de estudos

Além de descontos pelo pagamento em dia das mensalidades, as universidades particulares também concedem bolsas parciais ou totais para os alunos.

As instituições fazem uma avaliação socioeconômica dos matriculados que pediram o abatimento, que, em geral, varia de 50% a 100% do valor das parcelas, se a renda familiar for de até três ou 1,5 salário-mínimo, respectivamente. Contudo, para manter a bolsa, os beneficiados têm de obter bom rendimento acadêmico.

Outra modalidade de bolsa pode ser adquirida a partir do resultado obtido no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), para classificação dos candidatos. A nota mínima para participar do Programa Universidade para Todos (Prouni), financiado pelo governo federal, é de 450 pontos. As bolsas são voltadas para alunos egressos de escolas públicas ou particulares em que foram bolsistas.

A renda per capita dos candidatos às bolsas do Prouni em instituições particulares, que também podem ser parciais ou integrais, não pode ultrapassar 3 salários-mínimos. No segundo semestre do ano passado, foram oferecidas 125,5 mil bolsas pelo programa. O processo seletivo é aberto duas vezes por ano.

Financiamento estudantil

Além disso, as universidades também dispõem de programas de financiamento e oferecem taxas de juros mais competitivas aos universitários. Uma das modalidades adotadas por várias instituições é o PRAVALER.

Por meio desse programa, as mensalidades são divididas em duas parcelas e podem ser pagas em até o dobro do tempo do curso. Para contratar esse financiamento não é exigida pontuação mínima no Enem, com a possibilidade de uso em qualquer momento da graduação.

Para contratar, é preciso ter um garantidor que comprove renda de pelo menos um salário-mínimo. Além disso, a renda do estudante deve corresponder a 2,5 vezes o valor da mensalidade a ser paga.

Incentivo federal

Para apoiar a entrada e a permanência de estudantes em universidades particulares, o governo federal abre vagas para assinatura de contratos para o financiamento de cursos de graduação em todo o País, por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Em 2016, 203,2 mil contratos foram firmados em 1.550 instituições de ensino superior particulares.

Um dos requisitos para se candidatar ao financiamento é ter obtido pelo menos 450 pontos no Enem e não ter zerado a redação. Além disso, os candidatos devem comprovar que a renda da família é de até três salários-mínimos. Os pedidos são feitos pela internet no portal SisFies. O aditamento dos contratos é realizado em todos os semestres.

Os juros do Fies são de 6,5% ao ano. Enquanto estiver cursando a graduação, os estudantes pagarão a cada três meses até R$ 150 referentes à incidência desses juros. A página do Fies lista as instituições que aderiram ao programa em que é possível saber se há financiamento disponível para o curso desejado.

Após a conclusão do curso, o estudante terá 18 meses de carência para começar a pagar o financiamento. Nesse período, deve continuar pagando, a cada três meses, o valor de até R$ 150, referente aos juros que incidem sobre o financiamento. O pagamento restante do valor do curso é parcelado em até três vezes o período de duração da graduação.

Info Fies

Fonte: Portal Brasil, com informações do FNDE

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a licença Creative Commons CC BY ND 3.0 Brasil CC BY ND 3.0 Brasil

registrado em: , , ,
Assunto(s): Educação, Graduação

banner_servico.jpg

Últimos vídeos

Estados irão oferecer 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral
Ministério da Educação autorizou que estados ofereçam cerca de 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral, no ciclo 2018-2020
MEC regulamenta para cursos superiores à distância
Medida busca expandir a oferta destes cursos com aumento qualitativo
Prazo para renovação do Fies termina 31 de maio
Prazo para renovação dos contratos semestrais do Fundo de Financiamento Estudantil foi prorrogado até a próxima quarta-feira (31)
Ministério da Educação autorizou que estados ofereçam cerca de 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral, no ciclo 2018-2020
Estados irão oferecer 257 mil novas vagas de ensino em tempo integral
Medida busca expandir a oferta destes cursos com aumento qualitativo
MEC regulamenta para cursos superiores à distância
Prazo para renovação dos contratos semestrais do Fundo de Financiamento Estudantil foi prorrogado até a próxima quarta-feira (31)
Prazo para renovação do Fies termina 31 de maio

Últimas imagens

As instituições poderão oferecer exclusivamente cursos EaD, na graduação e na pós-graduação
As instituições poderão oferecer exclusivamente cursos EaD, na graduação e na pós-graduação
Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Portaria com a lista dos cursos foi publicada no Diário Oficial da União
Portaria com a lista dos cursos foi publicada no Diário Oficial da União
Foto: Marcos Santos/USP
Agentes comunitários devem percorrer bairros à procura de crianças fora da escola e alertar plataforma
Agentes comunitários devem percorrer bairros à procura de crianças fora da escola e alertar plataforma
Mayke Toscano/Governo de Mato Grosso
BNCC vem sendo discutida desde 2015 em articulação e colaboração com estados, Distrito Federal e municípios
BNCC vem sendo discutida desde 2015 em articulação e colaboração com estados, Distrito Federal e municípios
Valdir Rocha/Governo de Alagoas
Público-alvo são profissionais de cidades com pouca estrutura e longe de centros de conhecimento
Público-alvo são profissionais de cidades com pouca estrutura e longe de centros de conhecimento
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Governo digital